Brasileiros usam o auxílio emergencial para quitar dívidas

Um levantamento realizado pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo – CNC – mostra que o endividamento das famílias cresceu em nível recorde em agosto. Entretanto, dados do Grupo KSL mostra que nesse período, o número de acordos cumpridos entre as famílias que receberam o auxílio emergencial atingiu o 66%.

Especialistas acreditam que o fenômeno tenha relação com a necessidade da população em recuperar acesso ao crédito. “A porcentagem de inadimplentes que receberam auxílio variou bastante entre as carteiras, algumas chegaram à 50% de pessoas que receberam, outras 40%. Mas foi constatado que entre os clientes beneficiários, acordo cumprido chegou a casa dos 66%”, comenta Edemilson Koji Motoda, presidente do Grupo KSL.

Motoda acredita que os níveis de inadimplência variam muito de acordo com o segmento, o prazo da dívida, o tipo de devedor (PJ ou PF) e cada um pode ser analisado de formas diferentes. “Ao comparar o 1º e 2º trimestre de 2020 as recuperações dos contratos de Pessoa Jurídica, para o prazo de 60 dias de entrada no escritório, algumas carteiras tiveram queda de 18,43%. Já os contratos de Pessoa física, em algumas carteiras, chegaram a apresentar aumento na recuperação de até 10% em relação ao primeiro trimestre”, comenta.

O empresário reforça que nesse momento o consumidor deixou de consumir muitas coisas que antes fazia parte de sua rotina e acabou alterando algumas prioridades, por exemplo, se antes comia todos os dias fora, passou a cozinhar em casa, talvez nesse caso passou a gastar menos e com isso conseguiu economizar algum dinheiro. Já as empresas, especialmente as micro e médias empresas, podem ter sofrido mais o efeito da crise, uma vez que tiveram que fechar suas portas por dois ou até três meses.

Porém, mesmo com a população quitando as dívidas é preciso estar atento, segundo o IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – a taxa de desemprego no país subiu para do recorde de 13,8% no trimestre encerrado em julho, atingindo mais de 13 milhões de pessoas. “É importante buscar estratégias que auxiliem o inadimplente nesse momento para que não acumule ainda mais dívidas e encargos, assim como o credor deve estar atento às necessidades do cliente para conseguirmos encontrar condições que atendam aos dois lados da negociação”, finaliza.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE