Brasileiro quer mais saúde física e mental em 2021

São Paulo, 8 de Janeiro de 2021 – Durante a quarentena, os brasileiros mudaram seus hábitos e estão menos saudáveis. A pesquisa realizada pela Hibou, empresa de pesquisa e monitoramento de mercado e consumo, mostrou que 47% se sentem menos dispostos agora do que antes do início da pandemia. Contudo, a perspectiva de melhora nesse quadro é otimista, já que 90% dos entrevistados gostariam de aproveitar o ano novo para fazer mais pela própria saúde física e mental em 2021. Tudo isso para lidar com as três principais preocupações mencionadas: stress da rotina, confinamento prolongado e problemas financeiros.

Como promessa para 2021, 65% pretendem cuidar mais da saúde mental e tempo, 49% vão inserir mais exercícios físicos na rotina, 35% devem priorizar a vida pessoal e familiar, 29% irá valorizar mais o sono e 27% farão apostas em técnicas alternativas de saúde. Apenas para 5% nada irá mudar no ano que se inicia.

É o que constata o estudo com mais 1.500 brasileiros ouvidos pela empresa de maneira digital, com idade a partir de 20 anos, das classes ABCD, sendo 52% casados e 56% mulheres, entre os dias 17 e 18 de dezembro de 2020.

Outro dado importante é que 83% dos entrevistados, mesmo com a situação crítica de 2020, se sentem como pessoas saudáveis. De fato, enquanto a prática de atividade física caiu de 46% para 35%, os cuidados com alimentação cresceram (29% para 34%) bem como meditação e terapias alternativas (9% para 12%). Mas, no geral, a parcela da população não engajada em nenhuma atividade voltada a sua saudabilidade cresceu de 39% para 43% no decorrer de 2020.

Mesmo em uma realidade tão complicada, os brasileiros aprenderam a ficar mais perto da família (53%), a cozinhar mais por prazer (41%), se alimentar melhor (38%), fazer algum exercício em casa (31%), treinar habilidades manuais (26%), cuidar mais de si (25%) e colocar a leitura em dia (20%). O apoio por meio da fé e religião foi o serviço auxiliar mais procurado com 32% das buscas. Outras opções de ajuda também se mostraram significativas para o cuidado do corpo e da mente, como a de médicos (20%), nutricionistas (13%), psicólogos (13%), instrutores físicos (12%) e meditação (11%), entre outros.

A saúde foi o tema principal de 2020, o estudo mostrou que o uso de medicamentos aumentou para 1/5 dos brasileiros, sendo que, com o início da pandemia, 20% utilizaram mais remédios, 56% consumiram a mesma quantidade de antes e 24%, agora, utilizam menos. Os sintomas mais citados para utilização dos remédios foram: dor de cabeça (67%), dor no corpo (49%) e ansiedade (46%). “Faz sentido, pois a falta de deslocamento nos deixou mais tempo sentados (50%) e, com isso, as dores no corpo aumentaram. Outro exemplo é o peso, que aumentou em função do maior consumo de doces (48%) o que, para a maioria, é uma forma de reduzir a ansiedade. Vale o destaque também para o trabalho de home office por mais de 10 horas por dia, que atingiu a margem de 17%”, explica Ligia Mello, sócia da Hibou, e responsável pela pesquisa.

Estar confinado também estimulou o brasileiro a retomar o valor a pontos positivos de qualidade de vida que, até então, estavam esquecidos, mas que devem ser enaltecidos em 2021. 54% agora gostam mais da própria casa, 53% levam mais cuidados aos familiares e amigos, 38% se dedicam à saúde da alma e outros 36% cuidam e se preocupam com o próprio desenvolvimento humano. “O olhar se voltou para dentro, com foco em generosidade, cuidado, aconchego, dando menos atenção a superfluidades como o consumo e status de reconhecimento por aquisição.”, conclui Ligia.

As promessas para 2021 existem e são otimistas do ponto de vista da saúde do brasileiro, mesmo com a sinalização do estudo sobre como a saúde mental e física da população foi abalada em 2020. De acordo com os dados, o que se espera é que as pessoas tornem essas promessas em ações efetivas.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE