Bolsonaro reclama que querem ele Rainha da Inglaterra

(Reuters) – O presidente Jair Bolsonaro reclamou neste sábado de projeto aprovado pelo Congresso que restringe as indicações políticas para agências reguladoras e questionou se a iniciativa do Parlamento o deixaria em uma posição figurativa, sem condições de fazer as nomeações.

Bolsonaro aproveitou para avaliar que o Legislativo tem assumido cada vez mais força política e reclamou, ao comentar o projeto, que a indicação de diretorias e comandos as agências reguladoras passaria a ser uma atribuição apenas do Parlamento, caso a matéria seja sancionada.

???Querem me deixar como a rainha da Inglaterra? Esse é o caminho certo????, disse. ???Imaginem qual o critério que eles vão adotar???, sugeriu, referindo-se aos parlamentares.

Aprovado em maio pelo Senado e à espera da sanção presidencial, o projeto traz medidas para garantir autonomia e transparência às agências reguladoras, tenta evitar a interferência da iniciativa privada no setor regulado.

Bolsonaro ??? para quem ???o Legislativo cada vez mais passa a ter super poderes??? ??? não cultiva uma boa relação com o Congresso justamente em um momento em que precisa dos parlamentares para ver aprovada a reforma da Previdência.

Questionado sobre a articulação política, o presidente disse manter a promessa de campanha e não tem negociado ministérios com partidos políticos.

Admitiu, no entanto, que há indicações de políticos para cargos de segundo escalão.

???Acontece???, afirmou, argumentando não conhecer as pessoas ligadas a cada setor nos Estados. ???Nós temos que botar gente indicada por parlamentar que nós sabemos quem está indicando e se algo der errado, acontecer, o parlamentar será convidado a conversar conosco.???

Acrescentou, ainda, que a recente transferência da tarefa de negociação com o Congresso para a Secretaria de Governo, recém-ocupada pelo general Luiz Eduardo Ramos, deve ajudar a ???quebrar barreiras???.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE