Bolsonaro e as irresponsabilidades calculadas

Já disse em artigo que o presidente Jair Bolsonaro não é um fanfarrão. Ao contrário. Suas falas, posturas públicas e de gabinete dizem exatamente como ele está pavimentando o caminho do fascismo no Brasil. 
E seu pronunciamento diante da pandemia do Covid-19 é mais um ingrediente dessa receita indigesta que, propositalmente, ele prepara. Pedir à população que volte à rotina e que crianças voltem às aulas desautoriza todas as iniciativas preventivas tomadas por governadores e prefeitos, coloca-se como chefe supremo e joga a população para o risco da exterminação em massa. 
Ainda, sorrateiramente suspender prazos (MP 928) para respostas pela lei da transparência pública abre brechas para a corrupção e garante o silêncio do governo acerca de seus atos. 
Irresponsabilidades e ações calculadas e que têm o objetivo claro de domínio social, econômico e político. Se Jair Bolsonaro continuar encontrando facilidades dentro das instituições que aí estão para fiscalizá-lo e proteger nossa Constituição, o destino da Nação será o da volta dos anos de chumbo, dos anos de silêncio e de morte. O país precisa tomar consciência de que não temos um trapalhão na Presidência, temos um cirurgião meticuloso que calcula cada ação com o objetivo de dar vida ao monstro que trabalha para criar.

Márcia LiaDeputada estadual

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE