Conheça os benefícios da terapia de reposição hormonal

Não são apenas as mulheres na menopausa ou os homens na andropausa que podem precisar fazer a terapia de reposição hormonal.  No tratamento, cada especialista pode adotar diferentes esquemas, dependendo de cada caso: das doses, princípios ativos às formas de aplicação.

De acordo com o médico Dr. Marcos Cesar Staak Júnior, não há uma idade mínima estabelecida para a terapia de reposição hormonal.

“O tratamento é feito mediante a deficiência hormonal estabelecida com critérios clínicos e de exames complementares”, explica.

Mas como saber se é preciso? O médico explica que os sinais e sintomas da deficiência hormonal são diferentes em adolescentes e em adultos.

“Adolescentes e adultos jovens que ainda não completaram a puberdade parecem mais jovens do que sua idade cronológica. Eles também podem apresentar órgãos genitais pequenos, dificuldade de ganhar massa muscular apesar de exercícios vigorosos, falta de barba e dificuldade de aprofundar a voz. Em homens adultos, vários sintomas comuns, mas inespecíficos, começam dentro de algumas semanas após o início da deficiência de testosterona: diminuição do vigor e da libido e humor deprimido. A diminuição da massa muscular e dos pelos corporais são menos comuns, mas não ocorrem com menos de um ano de deficiência instalada. As ondas de calor ocorrem apenas quando o grau de hipogonadismo é grave e, especialmente, quando a taxa de queda é rápida. A ginecomastia, dolorosa ou não, tem maior probabilidade de ocorrer no hipogonadismo primário do que no secundário, assim como a infertilidade”, pontua o médico, que também explica como funciona o tratamento:

“A testosterona deve ser administrada apenas a um homem adulto hipogonadal, conforme evidenciado por sinais e sintomas clínicos consistentes com deficiência de androgênio e uma concentração de testosterona sérica subnormal matinal (8 às 10 horas) em três ocasiões distintas. Idealmente, as amostras devem ser colhidas em jejum; em um relatório, uma carga oral de glicose suprimiu agudamente as concentrações séricas de testosterona. Os sintomas e sinais sugestivos de deficiência de androgênio incluem baixa libido, diminuição das ereções matinais, perda de pelos corporais, baixa densidade mineral óssea, ginecomastia e testículos pequenos. Sintomas e sinais como fadiga, depressão, anemia, redução da força muscular e aumento da massa gorda são menos específicos. Os efeitos benéficos da testosterona nesses homens são claros e eles devem ser tratados com testosterona para aumentar suas concentrações séricas de testosterona ao normal. Escolher entre as diferentes preparações de testosterona requer um entendimento de sua farmacocinética. A testosterona nativa é bem absorvida pelo intestino, mas é metabolizada tão rapidamente pelo fígado que é virtualmente impossível manter uma concentração normal de testosterona sérica em um homem hipogonadal com testosterona oral. As soluções para esse problema que foram desenvolvidas ao longo de muitos anos envolvem a modificação da molécula de testosterona, a mudança do método de administração de testosterona, ou ambos”.

O profissional enfatiza que os efeitos desejáveis da administração de testosterona incluem o desenvolvimento ou manutenção de características sexuais secundárias e aumentos na libido, força muscular, massa livre de gordura e densidade óssea.

Marcos Cesar detalha os benefícios do tratamento:

Virilização / função sexual:

Normalização da concentração sérica de testosterona deve levar à virilização normal em homens que não são virilizados e à manutenção da virilização naqueles que já o são. Homens que se tornam hipogonadais na idade adulta e ainda são normalmente virilizados, mas cujo hipogonadismo se manifesta por uma diminuição da libido e energia, devem notar uma melhora acentuada nesses sintomas. A falha na melhora quando a concentração sérica de testosterona foi restaurada ao normal sugere outra causa dos sintomas.

Força muscular / massa livre de gordura

A reposição de testosterona também leva a melhorias substanciais na força muscular e massa livre de gordura em homens hipogonadais. Em um relatório, por exemplo, a administração de 100 mg de enantato de testosterona uma vez por semana durante 10 semanas a homens hipogonadais aumentou sua força no supino em 22%, sua força no agachamento em 45% e a massa livre de gordura em 5%

Densidade óssea

A reposição de testosterona melhora a densidade óssea no hipogonadismo masculino, conforme ilustrado em um estudo com 72 homens recebendo terapia de reposição de testosterona. O aumento da densidade óssea foi em média de 39% no primeiro ano de reposição de testosterona, e eventualmente atingiu e foi mantido na faixa normal. A resposta foi maior no primeiro ano em pacientes não tratados previamente e foi mais pronunciada naqueles com medições de densidade óssea mais baixas no início do estudo.

Outros efeitos possíveis:

A testosterona também foi postulada para melhorar o humor e a cognição, mas esses efeitos não foram demonstrados de forma convincente:

Humor

Os dados sobre o impacto da terapia com testosterona no humor são inconsistentes. Em homens com hipogonadismo moderadamente grave, o tratamento com ésteres de testosterona de ação prolongada por 30 semanas melhorou significativamente várias medidas de humor em comparação com o pré-tratamento, mas o estudo não foi controlado nem cego. Em homens jovens e idosos com hipogonadismo por um análogo do hormônio liberador de gonadotrofina (GnRH), as doses graduadas de enantato de testosterona não melhoraram duas medidas do humor. Em contraste, dois pequenos estudos sugerem um efeito benéfico da testosterona no humor em homens mais velhos com depressão subclínica.

Cognição

Em homens mais velhos com concentrações ligeiramente baixas de testosterona, a administração de enantato de testosterona a cada duas semanas não alterou significativamente nenhuma das várias medidas de cognição. Outros dados em homens mais velhos não mostraram um efeito da terapia com testosterona na cognição.

O médico analisa que o curso de tempo dos efeitos da reposição de testosterona é variável.

“Isso foi ilustrado em um estudo de três anos de reposição transdérmica de testosterona fisiológica em 18 homens hipogonadais não tratados anteriormente. Aumentos na massa livre de gordura, volume da próstata, eritropoiese, energia e função sexual ocorreram nos primeiros três a seis meses. Em contraste, o efeito total na densidade mineral óssea não ocorreu até 24 meses”, explica.

Dr. Marcos Cesar enfatiza que os pacientes tratados com testosterona devem ser monitorados para determinar se as concentrações séricas normais de testosterona estão sendo alcançadas.

“O monitoramento deve ser feito dois a três meses após o início do tratamento e após a mudança de uma dose. Quando a dose parece estar estável, o monitoramento a cada 6 a 12 meses deve ser suficiente. Eles também devem ser monitorados para efeitos indesejáveis”, completa.

O tempo de dosagem da testosterona sérica varia de acordo com a preparação usada.

“A testosterona sérica deve ser medida no meio do intervalo entre as injeções em homens que estão recebendo preparações injetáveis de testosterona, e o valor deve estar no meio do normal, por exemplo, 500 a 600 ng / dL (17,3 a 20,8 nmol / L). A dose deve ser reduzida se forem obtidos valores superiores”, elucida o médico.

“A testosterona sérica pode ser medida a qualquer momento em homens que estão usando qualquer uma das preparações transdérmicas, com o reconhecimento de que os valores máximos ocorrem seis a oito horas após a aplicação do adesivo”, complementa.

Ele ainda explica que as concentrações de testosterona sérica variam substancialmente quando um gel é usado, mas não de uma forma previsível.

“Portanto, sugere-se duas medições de testosterona sérica antes de fazer ajustes de dose. Os pacientes podem ter as duas amostras obtidas com tantos dias de intervalo quanto possível. O ideal é que as duas amostras sejam obtidas antes da consulta ambulatorial, para que os resultados estejam disponíveis no momento da consulta.Embora seja ideal medir a testosterona duas vezes antes de fazer ajustes de dose, uma única medição representa uma melhoria em relação à prática típica, pois 50% dos homens com testosterona prescrita não têm monitoramento bioquímico nos primeiros seis meses”, conclui.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE