Bastidores da escrita, por Oscar D’Ambrosio

A existência de homens que construíram a sua carreira literária sobre o trabalho de suas mulheres não é totalmente uma novidade. Basta lembrar o caso da francesa Colette, recentemente transformado em filme, literalmente explorada pelo marido sob os mais diversos aspectos.

O romance que inspira o filme “A esposa”, dirigido por Björn Runge, trata dessa questão. A obra cinematográfica é muito valorizada pelas atuações de Glenn Close e Jonathan Pryce, que trazem ao espectador um drama de uma trajetória literária baseada numa fraude, apimentada pelo filho adolescente em crise e um ameaçador biógrafo.
O eixo da ação é a viagem do casal e do filho para Estocolmo, onde o escritor receberá o Prêmio Nobel de Literatura. ?? no momento da glória que as contradições de uma vida vêm à tona. Ela mal suporta ver as adulações sobre o marido e ouvir os elogios ao seu trabalho irem para os créditos dele.
Ele, por sua vez, imaturo, com múltiplas traições à esposa no currículo, surge como criança deslumbrada perante a honraria sueca. O desgaste da relação é evidenciado a cada cena numa caminhada para um desfecho trágico, em que parece haver uma acomodação do caos, algo que, curiosamente, a vida parece fazer a cada instante.
Oscar D’Ambrosio é jornalista pela USP, mestre em Artes Visuais pela Unesp, graduado em Letras (Português e Inglês) e doutor em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e Gerente de Comunicação e Marketing da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE