Ativismo político em saúde

Preconceito é um tema sobre o qual é preciso falar sempre. Não há motivos para se calar quando qualquer pessoa sofre pelo simples fato de ter uma origem, uma cor de pele ou uma doença que a diferencie das demais e a leve a ser tratada de maneira desigual ou injusta.

O filme ‘120 Batimentos por Minuto’, de Robin Campillo, enfoca, na França do início dos anos 1990, o grupo ativista Act Up, engajado na luta para que a sociedade reconheça a importância da prevenção e do tratamento em relação à Aids. A abordagem mescla a visão da organização como um todo com a história de alguns integrantes.

A forma de conduzir as reuniões, com o estalar dos dedos, por exemplo, substituindo as palmas, o planejamento de ações de impacto junto à mídia, a avaliação dos sucessos e dos fracassos e o diálogo complexo e repleto de desconfiança com os laboratórios traz importantes ensinamentos.
Também estão ali histórias individuais. E cada uma delas proporciona uma visão do movimento, desde um maior radicalismo nas posturas políticas até um tom mais conciliatório. O que mais impressiona é a maneira como o estar vivo e doente dialoga com a morte. As formas de trabalhar essa linha tênue são tratadas com sensibilidade.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE