Ataques. Profª Juliana quer comissão de ética no “caso Corá”

A vereadora de Americana Professora Juliana (PT) usou tempo de explicação pessoal durante a sessão desta quinta-feira, na Câmara Municipal, para se posicionar quanto aos ataques recebidos pelo vereador bolsonarista de Santa Bárbara Felipe Corá (Patriota).

A vereadora já obteve uma vitória na justiça na terça-feira (3) com a determinação do Juíz Fábio D’Urso para a imediata retirada do vídeo publicado pelo parlamentar barbarense, onde ele pede que Juliana “lave a boca com ácido sulfúrico” antes de falar do presidente Jair Bolsonaro.

O discurso de Juliana nesta quinta-feira trouxe, principalmente, a pauta da violência contra a mulher (veja o vídeo abaixo), devido ao tom agressivo de Corá em sua fala. Juliana destacou, ainda, que “ácido sulfúrico não é sabão, é um item de tortura”.

INDENIZAÇÃO. Além de já ter conseguido com que o vídeo seja excluído das redes sociais de Corá, Juliana ainda pede indenização de R$10 mil por danos morais. Segundo a vereadora, a indenização será utilizada para apoiar projetos de combate à violência contra a mulher.

“É inaceitável que um vereador utilize seu posto para fomentar discurso de ódio contra minha orientação político-partidária, para fazer afirmações levianas sobre meus posicionamentos políticos e para naturalizar a violência contra as mulheres. Não se trata, portanto, de manifestação de ideias ou de divergências políticas, mas de discurso de ódio, porque foge à racionalidade, é hostil, insulta, intimida e constrange”, disse a vereadora Professora Juliana.

Na ação, a defesa da parlamentar aponta que o ataque feito por Corá “causou um dano imensurável à honra, à moral, à dignidade e à imagem da autora” e que não se configura “imunidade parlamentar” em relação às declarações feitas pelo vereador porque elas não têm relação com o exercício do mandato do parlamentar barbarense.

CÂMARA DE SANTA BÁRBARA. A vereadora também comunicou oficialmente o presidente da Câmara de Santa Bárbara d’Oeste, vereador Joel Cardoso (PV), relatando o caso e solicitando que a Comissão de Ética seja informada do fato, analise as declarações do parlamentar e o responsabilize pela conduta violenta.

A assessoria de imprensa da Câmara barbarense afirmou que irá encaminhar o pedido primeiramente para procuradoria para então definir se o caso seguirá para a Comissão de Ética da casa.

SERVIDOR DA CÂMARA DE AMERICANA. A vereadora protocolou ainda um pedido de abertura de processo administrativo contra um servidor comissionado da Câmara de Americana que reproduziu o vídeo com os ataques proferidos por Corá em um programa de TV e, entre risos, pediu respeito à fala do vereador barbarense.

O servidor, que também trabalha no programa de TV, ironizou e minimizou a sugestão do vereador de que a vereadora lavasse a boca com ácido sulfúrico e “alertou” o vereador que “não pode, vai derreter a boca da vereadora”, e finalizou dizendo estar na expectativa para ver a resposta da parlamentar na sessão ordinária da Câmara de Americana “para se divertir”.

 

 

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE