Assertividade e violência

Frequentemente se confunde o comportamento assertivo com o comportamento violento. Assertividade e violência, no entanto, dizem respeito à campos diferentes, sendo tal entendimento necessário para se evitar equívocos interpretativos. A reflexão sobre esses termos pode se dar através de várias áreas do conhecimento. Uma delas é a Ciência Política, que contribui com pesquisas sobre os aspectos políticos da realidade, aqueles que dizem respeito à tomada de decisões, espaços coletivos e produção de regras sobre e para o funcionamento da sociedade. 

Assertividade é um elemento de afirmação e proposição ao passo que violência é uma ação de desrespeito e imposição de vontades, com subsequente anulação do outro, podendo inclusive ocorrer através de atos não afirmativos. A pessoa que agride nem sempre “bate de frente” com a realidade ou com as pessoas que vitimiza. Um exemplo é violência psicológica, que não se define pela invasão corporal ou verbal, ocorrendo muitas vezes pela ausência, inclusive. O abandono afetivo é uma forma de violência psicológica, sendo definido pela falta de cuidado, contato, apoio e companheirismo em uma relação afetiva. Outros exemplos são: a constante desvalorização do outro, seja através de palavras, olhares ou ausência de reconhecimento das conquistas e qualidades de uma pessoa, ao passo que as características negativas são sempre ressaltadas; controle do outro, através de comportamento que manifesta desconforto com a liberdade de ir e vir do/a parceiro/a; entre outros exemplos. Em geral, a violência psicológica se dá através da combinação de elementos assertivos e não-assertivos; presença e ausência de ações; e ocorre em espaços prolongados de tempo. Essas características frequentemente dificultam a identificação da violência, pois, esta é diluída em várias pequenas ações e mascarada por elementos não-explícitos. 
A assertividade é uma característica que se dá de forma explícita. A pessoa assertiva ressalta sua opinião para o coletivo, defende seu ponto de vista e propõe ideias, soluções, caminhos. Obviamente que muitos atos de violência ocorrem a partir de comportamento assertivo, porém, nem toda ação assertiva é violenta, assim como nem toda ação violenta é assertiva. A pessoa assertiva empenha sua palavra, ou seja, a constrói de forma iniciativa e defende seu ponto de vista, dialogando com outros argumentos, a partir de sua consistência e coerência. 
Há várias definições de violência, auxiliando no entendimento sobre o mundo que nos cerca. O Dicionário de Política, escrito por três homens (Bobbio, Matteuci e Pasquino, 1983) versa sobre os aspectos físicos da violência, ressaltando os contextos estatais e de controle dos indivíduos onde esta ocorre. Já as teorias feministas, escritas por mulheres, vem enriquecendo os conceitos sobre violência, identificando-a em vários níveis: físico, sexual, psicológico, simbólico, moral, patrimonial, verbal. A violência é um elemento complexo das relações sociais e deve ser pesquisada e debatida publicamente com mais frequência, a partir da profundidade com que se dá na vida social. Safioti (2004) e Hirata (2009) versam sobre a violência que homens cometem contra mulheres a partir de vários parâmetros: o objetivo e o subjetivo; os níveis públicos e privados da realidade; e as dimensões sociais, psicológicas e jurídicas existentes para interpretar e combater a violência. A Lei Maria da Penha (2006) e a Convenção Belém do Pará (1994) também ampliam o entendimento sobre violência no nível jurídico, fornecendo instrumentos para eliminar a violência contra mulheres, praticada em grande parte por homens.
?? importante ressaltar que frequentemente a mulher assertiva é interpretada a partir de um valor negativo, ao passo que com os homens tal situação é menos frequente. O aspecto  de gênero influencia a interpretação sobre a realidade, em função dos sujeitos da ação serem homens ou mulheres e logo, serem considerados masculinos ou femininos. Nas sociedades patriarcais, há uma associação direta e necessária entre homens e masculinidade e mulheres e feminilidade, sendo que o masculino seria a ação e o feminino, a sujeição. Nesse universo interpretativo a assertividade diz respeito ao masculino e a passividade, ao feminino. Nesse sentido, mulheres assertivas estariam transgredindo a ordem social estabelecida. Em conjunto com esta interpretação, o estímulo social à misoginia e a reprovação social da existência de mulheres autônomas, propositivas e confiantes, assim como a suspeita da capacidade de mulheres em proporem soluções coletivas, geram uma intensa raiva coletiva direcionada a mulheres assertivas, assim como desaprovação social do comportamento das mesmas. Mulheres assertivas são colocadas no lugar de transgressoras da ordem, ou seja, violadoras. ?? uma inversão e tanto do significado e valor das ações, tendo raízes fortes e profundas nas culturas patriarcais. Mulheres assertivas são mulheres assertivas. Ponto. Violência é outro assunto.
A assertividade colabora para o andamento dos processos políticos, seja na macro ou na micro política (política representativa e instituições; e tomada de decisões no cotidiano, respectivamente), enquanto que a violência obstrui a política. Enquanto que política é diálogo, violência é supressão  e impedimento de diálogo. 
A assertividade, por sua vez, colabora para o diálogo, pois explicita opiniões e posicionamentos, facilitando o entendimento sobre argumentos, assim como o andamento de processos de decisão. Para que exista política há que existir assertividade, tolerância em relação à diversidade de realidades e intolerância à violência. Por sua vez, para se atingir a extinção da violência, há que existir assertividade. A supressão da violência exige posturas incisivas e afirmativas, tanto por parte dos cidadãos e cidadãs no cotidiano, como por parte do âmbito político representativo, na forma de leis e regras que visem a democracia, a paz e o bem estar para todas e todos e não somente para algumas parcelas da sociedade.
Por Daniela Alvares Beskow 

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE