Artigo. Novo Coronavírus, realidade, crise e resiliência

Desde a previsível chegada do SARS-CoV-2 ao Brasil, há poucos dias, o vírus conhecido como Novo Coronavírus, a doença por ele causada: “Covid-19” ou “Doença por Coronavírus 2019”, e as suas inevitáveis consequências clinicas, sociais e econômicas, estão ganhando a atenção da população. E há um justificável sentimento de apreensão, por parte de quem acompanhou notícias sobre a doença, desde que ela era apenas uma epidemia, no outro lado do globo.

Diante da provável crise, a reação dos governos mostrou Ministério da Saúde e Estados atuando de forma sincronizada, na medida do possível, defronte tanto das particularidades regionais, quanto do desafio assistencial, logístico e econômico que está por vir. Ministério, Secretarias e alguns bons quadros do Executivo buscaram, simultaneamente; por um lado, preparar a enorme estrutura para suporte e tratamento que será necessária – a toque de caixa e sem contar com apoio pleno de indústrias em outros países; e por outro, evitar que as populações sejam, desnecessariamente, submetidas a uma situação de estresse, frente à realidade tão complexa como potencialmente perigosa. E, na impossibilidade de dispormos de recursos econômicos e condições estruturais para idealizar soluções com instrumentalização ainda maior, essa, parece mesmo ser a estratégia mais inteligente a seguir.

A CRISE. Na previsão de disseminação do vírus pelo país, é esperado que uma parcela de até 60% população poderá se contaminar em poucas semanas. E nesse grande grupo, apenas uma em cada 10 pessoas ficará doente, exigindo terapias especializadas. O risco de morte e a necessidade de tratamento intensivo será exigida por um grupo ainda menor, formado por 6% das pessoas que forem infectadas. Contudo, diante da quantidade de atendimentos intensivos necessária para oferecer auxílio à essa “pequena” fração da população (milhões!), a concentração da exigência de suporte médico, em um curto período de tempo, irá sobrecarregar os sistemas de atendimento à Saúde, público e privado, disponíveis no país. Ou seja, o desafio não é a gravidade da Covid-19, tampouco tratá-la adequadamente. Mas sim, dispor de estrutura específica para tratar um número enorme de pessoas com a doença, simultaneamente.

Diante da impossibilidade de evitar, de forma eficaz, que as pessoas sejam infectadas (como ocorre com outras doenças, através de vacinas, por exemplo), os esforços do governo e da sociedade, precisam ser direcionados para desacelerar a disseminação do vírus, de modo que o número de pessoas que necessitem de atendimento clínico seja distribuído ao longo do tempo, em vez concentrar-se, ocasionando picos de ocupação nas UTIs. E, na prática, as próximas semanas exigirão atenção, comprometimento e solidariedade das populações nos principais aglomerados urbanos do Brasil.

Evitar essa urgência de cuidados, sem histeria coletiva e comorbidades, irá submeter a população à experiência de rever os seus hábitos mais comuns, como por exemplo: lavar às mãos, interagir fisicamente com pessoas e objetos, frequentar e comportar-se em locais públicos, tais como supermercados, bares, cinemas, praias, lojas, etc.  E diante do longo período em que será necessário evitar a progressão do contágio, objetivando a desconcentração do atendimento intensivo, medidas afoitas como estocar alimentos, isolamento, paralizações generalizadas, entre outras, revelar-se-ão pouco eficazes. Pois não serão economicamente e socialmente viáveis, por muitos dias. E a resolução da pandemia do Novo Coronavírus exigirá prazo bem mais amplo.

No intervalo necessário para a solução da crise, a capacidade coletiva de adaptação e superação da adversidade clínica, social e emocional, que podemos denominar “resiliência”, será colocada à prova. E aprimorada a cada momento, em que ações individuais e grupais forem reavaliadas, as necessidades sociais: compreendidas e, finalmente, existam mudanças de atitudes. Da melhoria na higiene que ser exigida para a manipulação de objetos do dia a dia (talheres, copos, maquininhas de cartão, elevadores, veículos públicos, etc.), às ações preventivas que todos terão que aprender a praticar, para não oferecer riscos aos outros. Por exemplo, não frequentar ambientes sociais quando apresentar sintomas, ou houver um familiar gripado, em casa. Será uma experiência e tanto, e a partir da qual, possivelmente a sociedade brasileira começará a ser reconstruída, inclusive em suas relações humanas, recentemente tão cindidas.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE