Articulista aponta erros do PT paulista

O PT apoiará a candidatura do PSDB à presidência da ALESP, em troca de uns carguinhos “estratégicos”, tendo em vista que não teria chance de vencer a base governista, com isso, o partido despreza o potencial dos movimentos sociais e abre mão de criar algo vigoroso politicamente em São Paulo.
 O deputado Carlos Gianazzi, do PSOL, irá disputar sozinho para marcar posição, como tem feito em vários temas, como água e educação. Vai daí que o parlamentar foi o mais votado da oposição no estado e o PT tomou uma tunda.   A educação pública em São Paulo está completamente destruída, a APEOESP ilhada e a classe dos professores desmobilizada. Se o PSDB pouco fez pela educação nestes vinte anos, o PT também pouco fez para mobilizar as forças de esquerda e os professores em torno de uma agenda.
Sem debate, não há ideias. Sem ideias, não há propostas. Sem propostas, não há agenda. Sem agenda, não há mobilização. Não adianta o PT controlar burocraticamente o sindicato dos professores se o mesmo não consegue amealhar adeptos em suas paralisações. Perguntaria o outro: mobilizar-se em torno de quais propostas e forças?
O PT envia uma mensagem muito ruim para as esquerdas ao dar apoio ao PSDB nesta querela pela presidência da casa. Desmobiliza. Ignora o que aconteceu no Paraná há poucos dias e o que vem acontecendo na Grécia e na Espanha. Esconde-se nas tocas do institucionalismo conservador e perde a chance de criar um campo opositor com os blocos sociais insatisfeitos. Os musculosos MTST e MPL estão aí para quê? O PSDB está há vinte anos no comando do estado e esqueceu que o interior existe quando o assunto é transporte sobre trilhos. As empresas privadas de ônibus oferecem serviços caros e ridículos. A educação pública encontra-se ao rés do chão. Obras do metrô corrompidas e lentas. Falta de água. E mais um trilhão de problemas. Existe um plano de ação articulado das esquerdas, nas ruas e na Assembléia, para criar constrangimentos ao governador? Não.Nem projeto alternativo ao tucano.    
O PT tem medo de ser de esquerda no Estado mais conservador do país. Só perde com isso. Uma coisa é fechar alianças com o centro, outra é se isolar na esfera institucional como se fosse um PMDB. Alckmin agradece. A força do prefeito de São Paulo vem justamente de suas medidas progressistas e nelas moram suas chances de reeleição. O filho de Alexandre Padilha nasceu no SUS. Falta mais Mujica na canjica do PT paulista.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE