Anel de ouro. Mais antigo do que você imagina

Ainda que hoje o anel de ouro seja uma prática comum na maioria das sociedades ocidentais industrializadas como simbolismo do casamento, a ideia de utilizar um aro em um dos dedos como representação de algum tipo de relação entre pessoas é mais antigo que Jesus Cristo. Segundo estudos de antropólogos e historiadores, o costume é seguido desde pelo menos 2.500 a.C entre povos como os egípcios.

No Egito Antigo, ter o objeto significava eternidade e amor perpétuo e, não à toa, foi naquela época que se definiu o uso dele no quarto dedo da mão esquerda, onde estaria a “veia do amor”, que iria direto ao coração.
O uso de anel também é encontrado entre povos gregos, mais adiante na história, inclusive feitos de ouro – caso dos Etrurias. No entanto, por falta do metal precioso, eles eram produzidos em sua maioria com bronze e prata. De qualquer forma, a Grécia Antiga já simbolizava de alguma forma o anel de ouro.
No entanto, foi em Roma – apesar das influências gregas – que o aro se tornou símbolo do casamento: durante o período imperial, ele era associado ao dote das mulheres e, consequentemente, à promessa de fidelidade. O cristianismo, em evidência naquela época, se valeu desse costume para legitimar o uso do anel aos casados oficialmente.
A descoberta da América e a exploração em minas de ouro fez com que o metal se popularizasse na Europa, e a produção de anéis aumentou em níveis escalares. Com ela, o anel como conhecemos hoje se tornou comum em todas as sociedades ocidentais. “Casar hoje sem aliança de ouro não é casamento”, conta a consultora de matrimônios Mariana Presoto, que trabalha organizando festas para casais em São Paulo. “?? um dos momentos mais bonitos de qualquer casório”, completa.
O anel de ouro hoje tem diversos significados que rodeiam o casamento: nos Estados Unidos, o pedido de matrimônio é tão importante quanto a festa, e há até uma expressão popular para os finais felizes – “she said yes”, “ela disse sim”, em tradução livre. Para convidar alguém a se casar, os estadunidenses, claro, precisam ter o anel nas mãos e uma ideia criativa de lugar ou de contexto.
No Brasil, já existiram diversas tendências: com a popularização do anel de prata no quarto dedo da mão direita, se tornou costume alguns casados usarem a aliança de ouro no mesmo lugar como símbolo de um “eterno namoro”. Segundo Presoto, a moda agora é não usar um objeto comum, mas personalizado: “Tem algumas que são produzidas especialmente para o casal, com diamantes que simbolizam o número de anos juntos ou com filetes de prata”, finaliza.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE