Analistas vêem início de 2015 engessado

Em 2014, os preços dos produtos no campo ficaram apenas 1,7% mais caros (Índice de Preços ao Produtor Amplo – IPA), de acordo com o Índice Geral de Preços 10 (IGP-10/FGV) acumulado em 12 meses até novembro, enquanto que os itens encontrados nas prateleiras dos supermercados, além dos serviços, bateram os 6,6% (Índice de Preços ao Consumidor – IPC) de aumento no mesmo período.
 Para 2015, a expectativa está longe de ser favorável. A taxa de inflação tende a repetir a variação deste ano ou, pior, ultrapassar os 6,5% previstos para 2014, pressionada pelos preços administrados, ou seja, aqueles controlados pelo governo que já vem puxando os resultados para cima. Analistas de mercado também aumentaram a expectativa da Selic para 12,5% para o próximo ano, meio ponto percentual acima do que estavam esperando. Mas, mesmo com a alta dos juros a inflação deve ser manter alta, pressionada pelo câmbio. Em relação ao crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) para 2015, a estimativa é de menos de um ponto, apenas 0,73%. ???Todas as previsões apontam para um ano muito complicado, principalmente no primeiro semestre. A inflação não dará trégua, os juros podem voltar a subir e a crise de escassez de água e energia devem alimentar ainda mais a inflação, sem contar no aumento da taxa cambial. Tudo remete a muita cautela e a palavra de ordem é segurança???, declara o professor de Economia da IBE-FGV, Mucio Zacharias. Segundo ele, é após as festividades do final de ano que a maioria começa a fazer contas, mas aí já poderá ser tarde. A dica é se planejar o mais rápido possível. ???Coloque na ponta do lápis tudo o que sobra mensalmente. Caso tenha dívidas de curto prazo com juros exorbitantes, coloque o pagamento dessas dívidas como prioridade, pois certamente, no decorrer de 2015 se beneficiará dos juros que não vai mais pagar e certamente isso fará com que tenha equilíbrio de caixa???, recomenda. Ele explica que o consumo não é ruim, pelo contrário, é muito bom para a economia. ???Mas, comprar e depois entrar em dívida rotativa é a mesma coisa que tentar enxugar gelo, não vai dar certo. ?? mais barato começar a mudar hoje???. O especialista em Gestão de Pessoas e também professor da IBE-FGV, Sergio Miorin, está esperando um mercado de contratações desaquecido. ???As empresas devem contratar, mas em baixa escala e com dificuldade para encontrar mão obra qualificada???, afirma. Para ele, o destaque será para os profissionais qualificados e proativos, cujas competências comportamentais superem as especializações e que por isso sejam a ???menina dos olhos??? de qualquer organização. Por outro lado, as empresas com planejamento e inteligência estratégica apurada não deverão demitir seus profissionais qualificados, mesmo no momento crítico. ???Caso o façam, correrão o risco de não encontrar outro do mesmo nível???, conclui. Além de menos vagas criadas, com queda de 38% ante os primeiros 10 meses de 2013, (de acordo com o Caged) a diferença entre salários de demitidos e contratados tem crescido, o que contribui para queda do rendimento médio das famílias. Além disso, o ganho real dos salários também vem perdendo força. Segundo o Dieese, o ganho acima da inflação neste ano foi de, em média, 1,5 ponto, ante 2,5 pontos em 2013. Para economistas, a renda média menor tende a levar pessoas fora do mercado a voltar a procurar trabalho. Para endividados, saída é planejamento financeiro a partir do 13º salário Quando a situação chega ao ponto do endividamento, é que muitos equívocos foram cometidos. ???O planejamento deve ser a palavra de ordem nesse caso. ?? uma questão de cultura. Devemos ter isso em mente e transformar em hábito, uma rotina de vida para toda a família???, ensina Mucio. Para começar o ano de 2015 com saúde financeira, as compras de final de ano só devem ser feitas com base no orçamento real e não nos bônus, como o 13º salário. Além disso, o orçamento deve ser organizado com a certeza do que entra e sai do bolso de todos os membros da família. O professor também destaca que, obviamente, o descontrole e a falta de planejamento das famílias endividadas não podem ser resolvidos da noite para o dia, mas é um processo que irá resultar em um futuro ???maravilhoso???. Mucio enumera, a seguir, as principais fases de um bom planejamento financeiro familiar: Fase 1: Conheça a realidade Utilize uma folha simples de papel e anote detalhadamente todas as receitas e gastos da família, mas lembre-se, disciplina é a alma deste projeto. Corte os gastos supérfluos e identifique a participação dos gastos prioritários. As sobras devem ser canalizadas para pagamentos das dívidas que serão renegociadas. Fase 2: Ciranda financeira e dívidas impagáveis O fundo do poço é atingido devido ao crédito em excesso porque depois não há viabilidade para pagar juros de 11% ao mês sobre as dívidas crescentes, a uma razão muito superior ao que cresce o salário anualmente: aproximadamente 7% contra 270%, absolutamente desproporcional. A saída é condicionada ao extremo arrocho com renegociação nos feirões patrocinados pela justiça e pelas operadoras de cartões de crédito com a possibilidade de redução de mais de 70% das dívidas e parcelamentos a juros subsidiados pela justiça. Mas lembre-se, primeiro você precisa saber o quanto terá de fundo à disposição para pagar as dívidas, isto é, primeiro cumpra a fase 1. Fase 3: Medidas contenciosas para consumidor disciplinadoü  Foque nas dívidas mais caras e tenha disciplina para alcançar os objetivos.
ü  Mude de hábitos: crie a cultura de planejar.
ü  Diminua ou pare de usar o cartão de crédito, da mesma forma que o cheque parcelado.
ü  Na hora de comprar, lembre-se da pergunta: é desejo ou necessidade? Na dúvida, espere 15 dias.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE