Americana irá vacinar adolescentes contra meningite

 Americana irá vacinar adolescentes contra meningite

A vigilância epidemiológica municipal informou nesta quarta-feira, que o Ministério da Saúde introduziu no calendário vacinal de rotina a vacina ACWY (conjugada) contra meningite. O objetivo é ampliar a cobertura vacinal em adolescentes de 11 e 12 anos, faixa-etária prevalente na maioria dos surtos da doença no país, que é causada pela bactéria Neisseria meningitidis, também conhecida como meningococo. A ACWY possui maior espectro para os subgrupos patogênicos das doenças meningocócicas, portanto, ela irá substituir a meningocócica C nesta faixa etária. Já as crianças com três meses, cinco meses e um ano, continuarão recebendo a meningocócica C normalmente.
Segundo a vigilância, o município recebeu 600 doses da vacina, que já estão disponíveis em todas as UBSs (Unidades Básicas de Saúde), das 8h às 16h, de segunda a sexta-feira. Com a introdução da ACWY, a vacina de Meningite C, que antes era administrada na faixa etária de 11 a 14 anos, passou a ser extinta nesta faixa etária. O Ministério da Saúde pretende alcançar cobertura vacinal maior ou igual a 80% nos adolescentes de 11 e 12 anos.
A vigilância ressalta que devido ao fato de as escolas estarem fechadas em razão da pandemia do novo coronavírus, é importante que os adolescentes aproveitem esse momento para serem imunizados contra a doença meningocócica, considerando que a vacina é um dos principais meios de prevenção.
Gripe
A vigilância epidemiológica destacou ainda que a segunda etapa da vacinação contra a gripe está em curso, sendo disponibilizada atualmente para os seguintes grupos prioritários: doentes crônicos; profissionais de salvamento e segurança (policiais civis, militares, penais – agentes de segurança pública, de escolta e vigilância -, bombeiros, guardas municipais); caminhoneiros, motoristas de transporte coletivo e portuários; funcionários do sistema prisional; jovens de 12 a 21 anos sob medidas socioeducativas e população privada de liberdade.
A Secretaria Municipal de Saúde ressalta que os doentes crônicos ou pacientes com condições clínicas especiais devem apresentar algum comprovante médico para receber a vacina. Estão incluídos neste grupo, por exemplo, pessoas com diabetes, hipertensão associada à outra comorbidade, asma, esclerose múltipla, hepatite, cirrose, obesidade, imunossupressão (indivíduos que estão com o sistema imune abalado por doenças ou medicamentos), entre outras.
A vacina oferece proteção contra os vírus da influenza A (H1 N1) e Influenza A (H3 N2) e Influenza B. Segundo o Ministério da Saúde, mesmo que a vacina não apresente eficácia contra o coronavírus, é uma forma de auxiliar os profissionais de saúde a descartarem as influenzas na triagem e acelerarem o diagnóstico para o Covid-19.

Relacionados

Leave a Reply