AM: Construção civil tem baixa em empregos

O SindusCon-SP, Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo, divulgou os dados de emprego do setor da construção civil referentes ao mês de abril de 2017. A pesquisa é realizada pelo  SindusCon-SP em parceria com a Fundação Getulio Vargas (FGV), com base em informações do Ministério do Trabalho e do Emprego (MTE).

O município de Americana registrou nova queda ??? a segunda consecutiva ??? no empregos formais do setor da construção civil. A queda foi de 0,17% em comparação ao mês de março, com redução de 7 vagas no mês de referência. O último índice positivo havia sido em fevereiro com alta de 1,18%. Neste mesmo período de comparação, Indaiatuba registrou a maior queda com -1,61%, seguido de Limeira com -1,49%. A maior alta foi de Campinas, com 1,66% de aumento no número de postos de trabalho.
Na comparação com o mesmo período de 2016, a variação de Americana fica em -2,22%, com queda de 93 vagas. No mês de abril, o estoque acumulado de trabalhadores foi de 4,096 pessoas com carteira assinada na cidade.
“A maioria das cidades atendidas pela pesquisa estão com índices em queda, pois vivemos a montanha russa política e os efeitos dela na nossa economia. Ainda assim, continuamos otimistas com relação a recuperação do setor e a melhora no índice de Campinas, que é referência na região, comprova isso”, pontua o diretor do SindusCon-SP ??? Regional Campinas, Marcio Benvenutti.
Brasil
O ritmo de queda do emprego na construção arrefeceu em abril, mas continuou em queda pelo 31º mês consecutivo. Foram eliminadas 874 vagas em todo o Brasil em abril, queda de 0,04% em relação a março. O estoque de trabalhadores no setor permaneceu na casa dos 2,47 milhões. Na comparação com abril de 2016, houve queda de 12,94%. Em outubro de 2014, primeiro mês de variação negativa, o estoque era de 3,57 milhões. Desconsiderando os efeitos sazonais*, a queda é de 0,90% em abril (-22.382).
Embora o ritmo da queda do emprego na construção venha se reduzindo nos últimos três meses, o presidente do SindusCon-SP, José Romeu Ferraz Neto, não acredita em reversão imediata da tendência. “Sem novos investimentos e com a confiança dos investidores e das famílias novamente retraída em função da crise política, a perspectiva é de continuação do declínio do nível de emprego no setor”, afirma. 
Em consequência, Romeu Ferraz julga primordial a aprovação das reformas trabalhista e previdenciária. “Se acontecerem, estas aprovações sinalizarão aos investidores que a política econômica de reequilíbrio das contas públicas e de estímulo à segurança jurídica nas relações trabalhistas segue firme, independentemente de quem esteja sentado na cadeira presidencial.”

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE