Alemães querem criar moto à prova de queda

da BBC.br- Quando o controle eletrônico de estabilidade (ESC, na sigla em inglês) apareceu pela primeira vez, nos anos 90, equipando carros de luxo, seu efeito foi descrito como “a mão de Deus” alcançando o motorista e corrigindo seus erros. Mas nenhum veículo é menos tolerante a erros do que uma motocicleta, com sua propensão a derrapar e, assim, expor seu piloto a todo tipo de perigos.
E se, assim como fizeram com o ESC, engenheiros desenvolvessem um sistema que ficaria nos bastidores, sem ser notado, esperando para agir com sua “mão de Deus” eletrônica apenas no instante em que a moto está prestes a cair? O resultado seria algo bastante parecido com o Sistema de Controle de Estabilidade de Motocicletas (MSC, na sigla em inglês), desenvolvido pela alemã Bosch. Ele está acoplado na supermoto Ducati 1299 Panigale e na KTM 1190 Adventure, enquanto a BMW Motorrad, subsidiária de motos do Grupo BMW, emprega alguns de seus componentes em todos os modelos da marca.
“O objetivo da criação da Bosch não é fazer um computador dirigir a moto automaticamente, mas sim servir como uma espécie de rede de segurança invisível aos motociclistas”, explica Frank Sgambati, diretor de marketing e inovação da divisão americana da Bosch.
“O grande atrativo da motocicleta é a adrenalina”, reconhece. “Não queremos interferir ou mudar essa experiência. Queremos que o MSC apareça apenas em situações de pânico.” Os freios ABS, que ajudam a reduzir dramaticamente o risco de uma batida, já fazem parte do mundo das motos há tempos. Mas seu uso esteve limitado a modelos caros ??? e ainda assim como um opcional de custo extra.
O Insurance Institute for Highway Safety (IIHS), organização sem fins lucrativos financiada pela indústria americana de seguros, relata que motos equipadas com freios ABS têm 37% menos chances de se envolverem em acidentes que resultem na morte do piloto. As motos equipadas com o sistema também apresentam 22% menos pedidos de indenização por danos em batidas, segundo o IIHS.
“Em uma emergência, o piloto tem frações de segundo para decidir entre apertar fundo os freios, o que trava as rodas e provoca uma batida, ou não frear e se arriscar a entrar com tudo em algum obstáculo”, explica Russ Rader, porta-voz do IIHS. “?? nessa hora que o ABS entra em ação, ajudando o motorista a frear bruscamente sem o medo de travar as rodas”.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE