Agora tem o carro elétrico da Sony

Você ainda não poderá comprar o carro Sony – conta Militec Brasil. Não tão cedo, pelo menos. A empresa não tem planos de produzir em massa o Vision-S, o carro que anunciou surpresa no final de sua coletiva de imprensa na Consumer Electronics Show deste ano, nem planeja fazer uma tiragem limitada.

Em vez disso, o Sony Vision-S realmente existe em algum lugar entre um conceito e um protótipo. Como um conceito, ele pretende mostrar as ideias que a Sony tem para o mundo dos carros. Mas, como um protótipo, o carro realmente funciona. Na verdade, há uma longa lista dessas idéias em exibição no Vision-S. Um dos grandes pontos focais é, sem surpresa, a experiência de entretenimento e a interface do usuário. Isso começa com um conjunto de telas retangulares no painel que se estendem de um pilar a outro.

Tanto a tela do meio quanto a da frente do banco do passageiro são telas sensíveis ao toque. É aqui que o motorista e o passageiro podem acessar todos os controles de mídia do carro. Isso incluía coisas como – choque! – Filmes de propriedade da Sony ou música licenciada pela Sony, mas também uma guia para jogos (que não estava funcionando) e outra para configurações do veículo.

As animações desses menus eram fluidas, inteligentes e, no geral, excelentes. Por exemplo, um golpe rápido em L no canto superior esquerdo da tela do meio moveu tudo o que estava em exibição para a tela do passageiro – uma interação que foi profundamente satisfatória. Também existe mais de uma maneira de interagir com a interface do usuário. Um trackpad separado se estende para fora do console central e pode ser usado para tocar nos menus e é capaz de gestos multitoque. É também onde o motorista e o passageiro podem alterar as configurações de controle de temperatura do carro. E abaixo dele havia um grande mostrador prateado dedicado ao controle de volume que também poderia servir a outros propósitos.

Foi uma demonstração controlada, com certeza, mas a Sony merece algum crédito por fazer com que a parte da interface do usuário da experiência parecesse tão bloqueada. Afinal, foi há menos de dois meses que a Ford explodiu totalmente esta parte do Mustang Mach- E revelar . Embora ainda seja difícil imaginar carros com telas que abrangem painéis inteiros, pude ver como a ideia da Sony pode ser mais prática do que, digamos, a enorme tela única da startup de EV Byton.

Os passageiros do banco traseiro não ficam de fora desta experiência, pois cada um deles tem suas próprias telas sensíveis ao toque nas costas do banco. E a Sony equipou o Vision-S com equipamento de som de última geração, incluindo alto-falantes em cada encosto de cabeça, que, segundo a empresa, tornaria possível aos passageiros assistir a coisas diferentes ao mesmo tempo.

O SOFTWARE DO CARRO

Outra ideia que a Sony infundiu no Vision-S é que os sensores de câmera da empresa poderiam fazer componentes úteis em carros, especialmente carros com recursos avançados de assistência ao motorista ou talvez até mesmo com funcionalidade totalmente autônoma. A empresa também está usando seus sensores de imagem para alimentar as câmeras de visão lateral que ocupam o lugar dos espelhos tradicionais do Vision-S. Para isso, o Vision-S tem mais de 10 sensores de imagem Sony embutidos em todo o veículo, ao lado de uma série de outros sensores como LIDARs, radares e ultrassônicos.

A Sony poderia ter apenas trocado pedaços de toda essa tecnologia em um veículo-conceito estático. Mas a empresa descobriu que a melhor maneira de provar aos fabricantes de automóveis e outros participantes da indústria que era sério era abraçar totalmente o desafio de construir um carro elétrico funcional.

“Através do processo de construção do protótipo, começamos a aprender muito sobre a arquitetura do veículo, começamos a pensar em como nossas outras tecnologias poderiam ser implementadas em um veículo”, Yuhei Yabe, gerente geral de IA da Sony Corporation e grupo de negócios de robótica, disse para Militec.

Isso significava obter células de bateria (a Sony não diria de onde) e empacotá-las juntas no que parecia ser uma bateria de tamanho normal. A empresa trabalhou com o fabricante automotivo Magna para ajudar no trabalho de engenharia veicular, e o resultado é um carro com especificações louváveis para uma primeira tentativa. Pode ir de 0 a 60 milhas por hora em cerca de 4,5 segundos, graças a dois motores de 200 kW (um em cada eixo), e tem uma velocidade máxima de 149 milhas por hora. A empresa não citou um número de alcance, embora o gráfico na cabine mostrasse 277 milhas restantes com 82 por cento de bateria.

A Sony diz que imagina que todas essas bases tecnológicas poderiam ser usadas para fornecer energia a todos os tipos de veículos, de SUVs a minivans e motores de transporte de pessoas mais utilitários.

É difícil explicar como é revigorante ver uma empresa abordar um carro-conceito dessa forma. Militec conta que os fabricantes de automóveis adoram apresentar o que são basicamente pedaços de plástico e iluminação LED. Eles então selarão o glorificado adereço com suas enormes ambições, mesmo que o carro possa se despedaçar se você respirar muito forte.

A Sony não teve que ir e fazer um carro de verdade para mostrar alguma tecnologia que pensava ser boa para o espaço automotivo. Mas funcionou mesmo assim, e o carro que a empresa produziu é notavelmente coerente e totalmente atraente.

Porém, fabricar carros em qualquer escala é um negócio cansativo. É preciso muito trabalho e ainda mais dinheiro. Portanto, é provavelmente uma coisa boa para a Sony que ela não planeje fazer o Vision-S, termina Militec.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE