Aí, vamos pra rua também pelos direitos humanos?

A polícia do Rio de Janeiro finalizou o inquérito que investigava o sumiço do ajudante de pedreiro, Amarildo, que desapareceu levado por uma das Unidades de Polícia Pacificadora (UPP) há cerca de 3 meses. 
A Resposta do inquérito foi a esperada pela maioria: Amarildo foi torturado até a morte em na UPP. Segundo apuração do inquérito, a polícia justificou a tortura como forma de fazer Amarildo confessar o paradeiro de drogas e armas.
Pois bem, como falei antes, o resultado foi o esperado pela maioria, porém o que me causa estranheza e revolta é a forma como este caso cruel, brutal e sem justificativa foi tratado pela mídia e por grande parte da população. Omissão total, aí eu pergunto, até quando vamos assistir isso?
Por qual motivo isso não causa a mesma comoção nas Pessoas e não tem o mesmo apelo na mídia? Talvez, a mesma resposta responda as duas perguntas, porque o caso é simplesmente ignorado pela mídia e se é ignorado pela mídia, logo é ignorado pela grande massa.
Sendo assim chego a uma conclusão: o Brasil vive um apartheid social, ou seja, temos dois pesos e duas medidas. Duas cores, duas contas bancarias e dois níveis de influência e isso infelizmente reflete diretamente, não só na mídia, mas também na massa.
Quer uma prova? Saia perguntando quantas pessoas conhecem o caso Amarildo, saia perguntando a opinião sobre o caso. Eu tenho certeza que a maioria vai dizer que é lamentável, mas também quem mandou esconder drogas e armas? Ou então, pior ainda, tem que torturar mesmo, quer que a polícia trate com carinho quem está escondendo drogas?
Pronto, parabéns se você pensa assim está condicionado a pensar como a mídia quer que você pense.
Essa questão social é muito complexa e ampla acredito que todos são vítimas de um jogo. Assaltos, crimes e mortes acontecem quando realidades desde Apartheid em que vivemos se conflitam. Seria com se vivêssemos em mundo de Matrix e o programa pegasse um vírus e travasse.
Karl Marx dizia, enquanto o proletário lutar entre si não vamos atingir a revolução. Esta fala cabe perfeitamente à realidade, afinal, a polícia e toda a sua estrutura falida também faz parte de um jogo, também faz parte do proletário e da massa. Se até o Capitão Nascimento acordou que o inimigo é outro, você não vai acordar?
Porque será que não vemos os jovens com a mesma força e com a mesma indignação dos protestos, se organizando nas ruas por Amarildo? Não por sua vida, mas para que crimes como este não voltem a acontecer.
Vamos lá, vamos para à rua também contra esse tipo de violência? Vamos lá, vamos pedir também o fim deste tipo de impunidade?
Se alguém se habilita na mobilização por esta luta social e ideológica, contem comigo, estarei nas ruas também junto com vocês. Me provem que estes protestos não foram apenas oba oba meramente político-eleitoral e nada ideológico, me provem o contrário.
E aí alguém quer ir às ruas por Amarildo e pelos direitos humanos?
Estou esperando e ainda bem que já estou sentado, pois me cansaria.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE