A participação política, por G Bonfim

Infelizmente a marca de corrupção na política impregnou e os brasileiros perderam o espírito participativo no cotidiano político.

A participação política não se limita votar em determinado candidato ou criticá-lo quando de seus escândalos. Significa debater, acompanhar, fiscalizar e até mesmo orientar os processos de decisão, direcionando ao gestor público quais políticas públicas são prioritárias ou devem ser elaboradas visando um futuro de desenvolvimento do município e garantindo o bem estar de seus habitantes.
Pode-se dizer que independe do titular prefeito, o governo está para o povo, que através dos seus impostos espera no mínimo que os serviços públicos essenciais sejam de qualidade.
Entretanto, o eleitor deve se acostumar a ideia de ser parte da política e não a platéia que assiste, vaia ou aplaude quando são provocadas. O prefeito por sua vez não pode ignorar a voz popular e deve permitir que ela seja amplificada nas audiências públicas e ouvidorias. Caso contrário não é possível avançar para uma participação democrática.
Enfim, o prefeito que decide por si, não representa o povo. Senão representa o povo, não representa nada. E a oportunidade desse todo é trocar as peças do tabuleiro e exigir a cada renovo que seus direitos sejam dignamente respeitados.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE