A Copa e nosso lado índio

Somos um país com muitos genes indígenas. Vai ter Copa sim, mas com o nosso estilo de cumprir prazos e chegar na hora. O gene indolente dos nativos nos acomete a todos. Seja no caso dos petistas que atrasam as obras da Copa ou os tucanos que não previram a profunda crise da água, nós gostamos mesmo é de sombra e água fresca. Quando vem o frio, nos escondemos.Nossa elite tem pavor em admitir que tem sangue índio. Acha que é elite porque é européia, porque tem sangue ‘branco’- sonha com isso.
Tememos todos, enquanto nação, ser vistos como indolentes e pouco afeitos a prazos e horários. Deveríamos trabalhar com nosso ‘timing’ nativo, que é mais lento. Precisamos ser mais honestos e planejar o futuro levando em conta essa nossa característica, que sonham em eliminar. Talvez devamos ajustá-la.
Um exemplo de ajuste é ver o exagero do tanto de estádios. Era pra ser menos. Era pra aproveitar os que já existiam. Talvez usar dois no Rio. Oras, se nos falta o empenho ao trabalho do europeu, também nos falta a frieza para dizer não e viver com o que temos. Isso tudo sem juízo de se isso é bom ou ruim, apenas sabendo que é algo nosso.
Um pouquinho de planejamento talvez nos ajudaria.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE