A Conferência do Clima já terminou. E o Brasil, como fica?

Apesar da apreensão e do medo em função dos ataques terroristas ocorridos em Paris no final de 2015, a 21ª Conferência do Clima finalmente foi realizada no país, em dezembro. A chamada ???COP-21??? se desenrolou de forma tranquila e obteve um resultado extremamente satisfatório, do ponto de vista ambiental.

 
O acordo final se alicerçou em três pontos básicos. O primeiro é que será revisto a cada 5 anos; o segundo se refere ao valor de U$ 100 bilhões que serão disponibilizados anualmente à adequação dos países em desenvolvimento; e o terceiro, registrou a redução de emissão de pelo menos 1,5% de emissão de CO², que passará a vigorar a partir de 2020.
 
Esse acordo final foi considerado histórico. Desde o Rio+20, ocorrido em 1995, estas negociações estavam sendo feitas. A situação virou uma convergência de interesses entre sociedade civil e sociedade privada. Diante da gravidade, os 195 países presentes assinaram o acordo.
 
O Brasil teve uma participação efetiva! Entrou nas negociações finais e teve papel preponderante na concordância da África e Ásia na redução do efeito estufa de pelo menos 1,5%.
 
Os países desenvolvidos levaram a pior, no sentido de que anualmente desembolsarão uma verba de U$100bilhões de dólares para países em desenvolvimento implantarem programas de energia limpa.
Quais os principais problemas que o Brasil irá enfrentar?
 
-Temperaturas
Em São Paulo estima-se que o aumento da temperatura média foi de 2,5 a 3,5ºC. No Rio de Janeiro, de 2,0 a 2,5ºC. Ondas de calor serão mais frequentes, além disso, haverá proliferação de mosquitos e, consequentemente, doenças.
 
-Nível do mar
O nível do mar aumentou 20 cm. As erosões aumentaram e consequentemente as águas dos rios terão mais dificuldades de chegar ao mar. O mar terá mais ressacas, ondas mais altas e inundações.
 
-Amazônia
O desmatamento causa emissões de Gás Carbônico para atmosfera, o que, aliado às altas temperaturas, propicia aumento de incêndios e consequentemente redução da estocagem de CO².
 
-Crise Hídrica e energética
A seca tem afetado profundamente a região sudeste. Como fazemos grande uso de energia elétrica, o aumento das secas será garantido. Investir em energias limpas são ações emergenciais.
 
– Agricultura
Será o setor mais afetado em função das mudanças climáticas.
 
Bem, o acordo está assinado e os problemas são de ciência de todos. Cabe agora as ações de nossos governantes no sentido de implantar programas eficientes, porém sem a sociedade civil e organizações não governamentais será difícil ou quase impossível atingir as metas.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE