A Agenda Global agradece Joe Biden

*Por Norman Arruda Filho

 

Diversidade. Essa é a palavra que traduz as primeiras nomeações reveladas pela equipe de transição do presidente eleito dos Estados Unidos, o democrata Joe Biden. Na contramão do governo anterior, caracterizado por medidas conservadoras e pouco amistosas com a agenda global, Biden está construindo uma equipe diversa, tanto em questão de raça quanto de nacionalidade e gênero.

 

O destaque vai para a nomeação de Avril Haines, primeira mulher a comandar a Inteligência Nacional, e para Alejandro Mayorkas, um imigrante cubano como secretário de Segurança Interna dos Estados Unidos. Além disso, na presidência, Biden terá a seu lado Kamala Harris, a primeira mulher nesta posição, formando uma chapa que acena para minorias. A vice-presidente é negra e filha de uma indiana e um jamaicano.

 

Como já era esperado pelas suas propostas de campanha, o presidente eleito caminha de mãos dadas com a Agenda Global e com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Se as nomeações que citei anteriormente foram um incentivo aos ODS de Igualdade de Gênero e Redução das Desigualdades, a escolha por John Kerry, ex-secretário de Estado de Obama, como enviado especial para o clima, sela a paz do novo governo com o reconhecimento da Mudança Global Climática.

 

Além de contribuir com a Agenda, o foco em uma política de descarbonização no país pode gerar novas oportunidades de negócios e aproximar os Estados Unidos do mercado europeu. Outro benefício é a grande pressão que essas ações irão exercer mundialmente, em especial em suas relações com o Brasil.

 

Biden inaugura uma nova fase para os americanos e para o mundo, algo que se assemelha à um novo iluminismo, que consagra a escolha pela ciência frente às crendices do governo anterior, e que privilegia a experiência profissional na gestão pública frente aos favorecimentos eleitorais. O novo presidente promete “humanizar” as relações internacionais e tentar consertar os irreparáveis erros cometidos nas áreas de imigração pelo governo Trump.

 

O recado de Joe Biden é claro: seu governo é o fim da política segregacionista, xenofóbica, negacionista e conservadora que muitos líderes mundiais tentam impor aos seus compatriotas. A Agenda Global agradece.

 

*Norman Arruda Filho é Presidente do ISAE Escola de Negócios e Membro do Comitê Brasileiro do Pacto Global das Nações Unidas.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE