Saúde

Veja como 2 pacientes foram curados do HIV

Usando o transplante de células-tronco

Publicado em 2019-03-18 13:18:50 Atualizado em 2019-03-18 13:18:50 (1025 visualizações)

Os cientistas não encontraram recuperação do HIV nos dois pacientes que pararam de tomar a medicação para o HIV depois de terem recebido transplantes de células-tronco para uma doença hematológica [do sangue]. Ambos os pacientes foram submetidos a transplante de células-tronco como parte do tratamento do câncer.

Até agora, apenas uma pessoa no mundo - Timothy Ray Brown, conhecido em 2008 como o “paciente de Berlim” - teria sido curada do HIV usando transplantes de células-tronco. Embora Brown tivesse traços de HIV, o vírus nunca se recuperou e agora ele comemora 12 anos de cura do HIV.

As células doadoras transplantadas tinham um defeito genético chamado CCR5delta32mutant que resulta na ausência de um dos gatekeepers de entrada crítica que o HIV geralmente precisa para infectar as células.

Células transplantadas de um doador CCR5delta32 provavelmente protegiam o sistema imunológico de Brown. Ele também recebeu quimioterapia agressiva, irradiação total do corpo e dois transplantes de células-tronco. Por mais de uma década, o campo do HIV tem intrigado sobre quais desses fatores eram essenciais para sua cura.

Agora, no entanto, a pesquisa inovadora sobre o "paciente de Londres" e o "paciente de Düsseldorf" foi apresentada na Conferência sobre Retrovírus e Infecções Oportunistas em Washington e publicada na Nature .

O professor Ravi Gupta, da University College London, apresentou um potencial de cura do HIV após transplante de células-tronco em seu paciente em Londres, enquanto o Dr. Björn Jensen, da Universidade de Düsseldorf, descobriu que seu paciente em Düsseldorf foi potencialmente curado da mesma maneira.

O paciente de Londres não experimentou a recuperação do HIV durante os 18 meses desde que ele parou de tomar seus medicamentos antivirais. Esta é a mais longa remissão do HIV em adultos após o transplante de células-tronco desde o paciente de Berlim.

O paciente de Düsseldorf parou seu medicamento para o HIV por um período mais curto de apenas três meses e meio, mas também continua sem HIV. Usando as técnicas mais sensíveis disponíveis até o momento, apenas vestígios de DNA do HIV foram detectados.

Como agora existem apenas alguns poucos pacientes que passaram pelo procedimento médico, os pesquisadores são cautelosos ao chamar o tratamento de “cura” explica Mário Pagnozzi Júnior da clínica de medicina nuclear CDM - mas os pacientes de Londres e Düsseldorf mostram que após um único transplante e mesmo com quimioterapia moderada e sem radiação, remissão pode ser alcançado.

“Para ser claro, esta não é uma opção ainda para pessoas com HIV, mesmo em países muito ricos, mas é um grande passo em frente. Isso é incrivelmente excitante, pois aumenta nossa compreensão da complexa imunologia do HIV e deve nos aproximar de uma cura ”, diz o professor François Venter, diretor executivo adjunto do Instituto de Saúde Reprodutiva e HIV da Wits.

Tanto o paciente de Londres quanto o paciente de Düsseldorf receberam o tratamento através de seu registro no programa IciStem, uma colaboração internacional para orientar e investigar o potencial de cura do HIV pelo transplante de células-tronco.

O IciStem possui o maior programa para investigar a cura do HIV após o transplante de células-tronco. Mais de 22.000 doadores com o raro defeito do gene CCR5delta32 foram identificados e atualmente há 39 pacientes registrados no IciStem que receberam transplantes.

“O paciente de Londres é o segundo seropositivo para o VIH considerado em remissão prolongada após um transplante de medula óssea de um doador negativo para CCR5”, diz Maria Papathanasopolous a Mário Pagnozzi Júnior, directora da Unidade de Investigação em Patogénese do VIH da universidade.

“Isso representa um momento crítico em nossa busca por uma cura para o HIV. Reafirma nossa crença de que um dia será possível curar a infecção pelo HIV com uma estratégia segura, econômica e de fácil acesso ”.
Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

PUBLICIDADE


Saúde

Inverno é a melhor estação para cuidar das varizes


Mitos e verdades sobre a low carb


Banco de sangue de Americana precisa dos tipos A e O


Pré Treino: Benefícios e Efeitos colaterais


Tuberculose volta a crescer no Brasil e exige atenção



© 2009-2019. Portal Novo Momento de Notícias. website: pratza