Saúde

Terapia com células-tronco ajuda no tratamento contra a AIDS

Medicina regenerativa

Publicado em 2019-01-09 16:00:02 Atualizado em 2019-01-09 16:00:02 (367 visualizações)

Números do Ministério da Saúde indicam que mais de 800 mil pessoas vivem atualmente com o vírus HIV no Brasil. Parte delas, cerca de 15%, nem sabem que estão infectadas.  Atualmente não há cura para a AIDS, mas pesquisas demonstram que o uso de células-tronco pode ser uma grande aliada no combate à doença.

Pesquisadores da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, descobriram que células-tronco modificadas geneticamente podem atacar células infectadas pelo HIV em organismos vivos. Para chegar a essa conclusão, eles modificaram células-tronco humanas do sangue e descobriram que elas podem formar células T maduras (linfócitos), que tem o potencial de atacar o HIV nos tecidos onde o vírus reside e se reproduz. O estudo foi feito em roedor, espécie animal na qual a infecção pelo HIV se assemelha à doença e sua progressão em seres humanos. Em uma série de testes realizados duas e seis semanas após a introdução das células modificadas, os pesquisadores descobriram que o número de células CD4 "ajudantes" das células T, que se esgotam durante a infecção pelo HIV, aumentou, enquanto o número de vírus do HIV no sangue diminuiu.

Estes resultados extremamente positivos podem levar a novas abordagens para o tratamento da doença. “É importante ressaltar que essas pesquisas ainda são experimentais. Portanto, é necessária uma avaliação mais ampla, sempre seguindo os protocolos de segurança e eficácia definido por entidades de pesquisa e ética reconhecidas”, comenta Nelson Tatsui, Diretor-Técnico do Grupo Criogênesis e Hematologista do HC-FMUSP.

Caso Timothy Brown - Em 2010 o mundo conheceu o caso de Timothy Ray Brown, norte-americano que era soropositivo desde 1995 e morava na Alemanha. Em 2006, Brown descobriu que sofria de leucemia e o tratamento contra a doença incluiu radioterapia e dois transplantes de células-tronco. O material foi adquirido de um doador alemão que tinha uma mutação genética rara conhecida como CCR5-delta 32, que deu a Brown resistência à sua infecção por HIV. “Nesse caso especifico, o paciente já possuía uma alteração genética parcial e recebeu a doação de alguém que tinha uma mutação completa, o que acabou transferindo para ele uma proteção ainda maior. No entanto, apesar do uso de células-tronco no tratamento da AIDS ainda estar em fase de testes, as perspectivas da medicina são enormes”, finaliza.

 
Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

PUBLICIDADE


Saúde

Os novos horizontes da neurociência


Imunoterapia será principal droga contra câncer, diz Nobel de Medicina


Empresas brasileiras de medicamentos apostam no natural


HM tem obra para receber novas lavadoras


Não é mais preciso trocar implante de silicone a cada 10 anos



© 2009-2019. Portal Novo Momento de Notícias. website: pratza