Saúde

Refluxo por endoscopia começa a ser feito na região

Recentemente aprovado no Brasil, novo método é usado desde 2004 em outros países

Publicado em 2017-09-25 14:30:02 Atualizado em 2017-09-25 14:30:02 (911 visualizações)

Um novo tratamento para DRGE (Doença de Refluxo Gastroesofágico), feito através de endoscopia, recentemente liberado no Brasil, chega à Região Metropolitana de Campinas. Ele é uma alternativa para pacientes sem resultados efetivos com medicamentos e que não queiram ser submetidos a uma cirurgia. Estima-se que 12% da população brasileira, cerca de 25 milhões de pessoas, sofram da doença. Apesar de existir desde 2004 em outros países, o novo procedimento foi liberado recentemente no Brasil.
 
“O refluxo é causado quando o músculo entre o estômago e o esôfago se torna fraco. Com isso, o conteúdo do estômago, inclusive ácido e bile, volta para o interior do esôfago, causando os sintomas da DRGE”, explica o médico endoscopista Admar Concon Filho, de Valinhos, que faz parte da primeira equipe de médicos treinada para usar a nova técnica no País. Entre os sintomas mais comuns da doença, estão azia, arroto, indigestão, náusea, boca amarga, tosse crônica após alimentação e aumento de gases.
 
“Este método é realizado por radiofrequência, com um equipamento chamado Stretta, que é introduzido no paciente por endoscopia. Ele faz uma espécie de queimadura nas camadas internas do esôfago, fortalecendo o músculo para que o conteúdo do estômago não retorne mais”, explica Concon.
 
O procedimento, não-cirúrgico, demora menos de uma hora e pode ser feito com o paciente sedado ou através de anestesia geral. Ele tem alta no mesmo dia e, no dia seguinte, pode retomar suas atividades normais. Nas primeiras 24 horas, o paciente deve consumir apenas líquidos e, nas duas semanas seguintes ao procedimento, precisa ingerir uma dieta leve.
 
Os resultados mais significativos aparecem, em média, a partir de dois meses após o procedimento, quando o médico começa, então, a suspender o uso de medicamentos. “Em todo mundo, já foram realizados mais de 20 mil procedimentos como este e os resultados são muito positivos”, destaca Concon. Os estudos a longo prazo apontam que, após quatro anos, 86% dos pacientes deixaram de usar medicamentos diários. Após oito anos, 72% e, após 10 anos, de 64% a 72%.
“Este tratamento é ideal para pacientes que não têm alívio completo dos sintomas com o uso dos IBPs (Inibidores de Bombas de Prótons) ou para aqueles que estão preocupados com o uso prolongado de medicamentos. Também já os casos dos pacientes que não querem ser submetidos a uma cirurgia. De forma geral, ele é uma opção entre o medicamento e a cirurgia”, diz Concon.

O uso de radiofrequência já é comum na Medicina. Ela já é usada, por exemplo, para alargamento de próstata, para eliminar roncos e apneia do sono, para fibrilação atrial e na medicina estética.
 
Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

PUBLICIDADE


Saúde

Número de pacientes com hepatite cresce 20% em 10 anos no Brasil


Médicos comemoram hoje o Dia Nacional do Cérebro


Tivoli tem vacinação contra a gripe no final de semana


Exame descarta nova morte por Influenza em Nova Odessa


Zera Fila da Saúde atende 850 em 8 UBSs



© 2009-2019. Portal Novo Momento de Notícias. website: pratza