Geral

Argentina. Senado rejeita liberação do aborto

Passeatas em Buenos Aires

Publicado em 2018-08-09 07:50:05 Atualizado em 2018-08-09 07:50:05 (311 visualizações)

(Reuters) - Senadores argentinos rejeitaram um projeto de lei para legalizar o aborto no país em debate acalorado que se estendeu até a madrugada desta quinta-feira, contrariando uma onda crescente de apoio por parte de movimentos pelos direitos das mulheres.

Com 38 votos a 31, o Senado rejeitou a medida, que teria legalizado o direito de mulheres fazerem um aborto até a 14ª semana da gravidez. O projeto de lei tinha sido aprovado por estreita margem na Câmara dos Deputados em julho.

Famílias e clérigos usando bandanas azuis festejaram do lado de fora do Congresso quando o resultado foi anunciado pouco antes das 3h da manhã, balançando bandeiras da Argentina em apoio ao posicionamento da Igreja Católica contra o aborto no país natal do papa Francisco.

“O que essa votação mostrou é que a Argentina ainda é um país que representa valores de família”, disse a ativista antiaborto Victoria Osuna, de 32 anos, à Reuters.

A lei atual da Argentina só permite o aborto em casos de estupro, ou se a saúde da mãe estiver em risco.

Defensores do direito ao aborto, carregando bandanas verdes que se tornaram um símbolo do movimento, ocuparam as ruas da cidade até o fim da votação, apesar de forte vento e chuva.

Muitos acamparam em frente ao Congresso desde a noite de quarta-feira.

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

PUBLICIDADE


Geral

Presidente da Vale não se levanta em homenagem às vítimas de Brumadinho


ABES-SP abre inscrições para capacitação em saneamento


Segurança acusado de morte de jovem responde em liberdade


Marielle, 11 meses do crime e muitas incertezas


Horoscopo do dia. Veja seu signo



© 2009-2019. Portal Novo Momento de Notícias. website: pratza