Cidades

Debate aborda pessoas em 'situação de rua' na área central

Em Nova Odessa

Publicado em 2019-06-18 15:46:45 Atualizado em 2019-06-18 15:52:14 (248 visualizações)

No início da sessão de segunda-feira (dia 17), a Câmara de Nova Odessa promoveu um debate a respeito de problemas relatados pelo Conselho Tutelar quanto à presença de pessoas em “situação de rua” na área central e na Praça José Gazzetta. Em atendimento a requerimento do vereador Avelino Xavier Alves, o Poneis (PSDB), os parlamentares discutiram medidas que podem ser adotadas, reunindo também a Guarda Civil Municipal e o Setor Social da Prefeitura.

O debate teve as presenças do chefe de Gabinete da Prefeitura, André Faganello, do diretor da Guarda Civil Municipal, Franco Júlio Felippe, da diretora de Gestão Social e Cidadania, Patrícia Pereira, e da coordenadora do Creas (Centro de Referência Especializado de Assistência Social), Solange Paulon, além do conselheiro tutelar Osvaldo Padovan. Durante a ocasião, um representante religioso trouxe ao plenário um grupo de cidadãos em situação de rua e que são atendidos.

Em 21 de março a Câmara recebeu ofício do Conselho Tutelar, relatando a seguinte situação: “A permanência de moradores de rua na região central da cidade, principalmente nas imediações da antiga estação ferroviária e a Praça José Gazzetta, tem trazido muita preocupação, pois além das dificuldades para higiene e acomodações para dormir, os mesmos têm utilizado de guarda de carros para angariar fundos para seu sustento e principalmente para seus vícios”.

Como é um local público e que tem parque infantil, sediando eventos culturais e a própria Feira Noturna, pela praça transitam muitas crianças e adolescentes. O Conselho Tutelar chamou a atenção para suspeitas de tráfico de entorpecentes, o que colocaria em risco a saúde e a integridade dos jovens. O conselheiro Padovan afirmou que algumas pessoas e instituições servem refeições a estas pessoas, o que acaba ‘incentivando’ outras a permanecer no local.

“É um assunto que pertence a toda a sociedade, não apenas ao poder público”, pondera Solange Paulon. A dirigente explicou que o Creas trabalha com situações de ‘violação’, não tendo uma equipe especializada na abordagem da população de rua. “Mesmo assim fazemos o nosso trabalho, porque não é só questão de sobrevivência”, acrescenta. O órgão trabalha com o “resgate de vínculos” do cidadão, para que possa deixar a condição.

O Creas começou a atuar em Nova Odessa no ano de 2014 e, até agora, realizou atendimentos a 140 homens e 21 mulheres. Conforme a coordenadora frisa, parte das pessoas tem problemas com álcool e drogas, além de enfrentar situações como falta de moradia, violência doméstica e até mesmo estão ali por ‘opção’. “O Creas não atua sozinho. É um conjunto de ações e políticas públicas, para o resgate do cidadão, que não ocorre em um dia”, reforça Paulon.

Os representantes também deixaram claro que há protocolos de atendimento e normas jurídicas a serem cumpridas, não podendo ‘forçar’ o cidadão a adotar determinadas ações. “O debate deixou claro que é uma questão de Saúde, Assistência Social, Segurança Pública e a sociedade civil”, resume o vereador Poneis. “É um assunto muito árduo, mas que deve envolver todo o município”, completa Faganello. O chefe de Gabinete da Prefeitura ainda se comprometeu a realizar visitas periódicas ao local com representantes inter-setoriais.
Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

PUBLICIDADE


Cidades

Perderam a biqueira no São Joaquim


Recape chega à Praia dos Namorados


Cruzeiro do Sul ganha novo ramal de galeria de águas pluviais


SM: Serviços essenciais funcionam no feriado


NO tem 'aulão' gratuito de funcional neste sábado



© 2009-2019. Portal Novo Momento de Notícias. website: pratza