RMC aplica mais de 350 mil doses em 2 semanas

A campanha de vacinação contra a Covid-19 vem crescendo na RMC (Região Metropolitana de Campinas). Só nas duas últimas semanas – entre os dias 21 de junho e 5 de julho -, mais 358.150 doses dos imunizantes disponíveis foram aplicadas nas 20 cidades que compõe a região, sendo 333.602 primeiras doses, 11.893 segundas doses e mais 12.655 doses únicas. No total, 1.756.365 doses já foram aplicadas na RMC, sendo que 1.336.250 pessoas já receberam ao menos uma dose e outras 420.115 estão com o esquema vacinal completo.

Os dados são do Vacinômetro, ferramenta criada pela Secretaria Estadual de Saúde, e levam em conta os números contabilizados até o final da manhã desta segunda-feira (5). O Vacinômetro aponta, em tempo real, quantas pessoas já receberam a primeira e a segunda dose da vacina, inclusive com dados individualizados para cada cidade. O acesso pode ser feito através do link vacinaja.sp.gov.br/vacinometro. Além disso, a ferramenta também disponibiliza o quantitativo de doses enviadas aos municípios.

De acordo com nota técnica emitida pelo Observatório da PUC-Campinas (Pontífica Universidade Católica), apesar do brilhante trabalho que os municípios da Região Metropolitana de Campinas vêm fazendo na campanha de imunização, “com grande agilidade de aplicação de doses”, o pequeno quantitativo que tem chegado aos municípios – por conta da negligência do governo federal em adquirir vacinas em tempo oportunidade – impede uma campanha mais robusta e com potencial de impactar, em curto prazo, a evolução da epidemia.

“O papel protetor das vacinas é nítido e claro, visto que hoje em dia é muito difícil encontrar pacientes acima de 70 anos nas UTIs-COVID, justamente as faixas etárias já imunizadas com duas doses de vacina. Entretanto, devido à negligência do governo federal em adquirir vacinas em tempo oportuno, há uma grande parcela da população ainda não imunizada com duas doses, o que deixa um enorme contingente de suscetíveis vulneráveis à infecção, adoecimento, internação e óbito. É possível que com a previsão de chegada de mais imunizantes no segundo semestre e a já evidente grande capacidade dos municípios em aplicar as doses com agilidade, possamos sair definitivamente desta situação crítica nos próximos três ou quatro meses”, apontam os especialistas da universidade.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE