Teste do Pezinho previne até 50 doenças raras

O teste do pezinho, exame realizado logo nos primeiros dias de nascimento da criança, até mesmo na própria maternidade, é um exame essencial para garantir a saúde da criança e evitar a mortalidade infantil. Através dele, é possível diagnosticar uma série de doenças e encaminhar a família ao tratamento precoce mais adequado, quando necessário.

Este ano, a lista de diagnósticos abrangidos pelo teste do pezinho foi ampliada, tendo as principais como hiperfenilalaninemias (excesso de fenilalanina), hemoglobinopatias (relacionadas à hemoglobina), toxoplasmose congênita, aminoacidopatias até atrofia muscular espinhal. “É muito importante que o País tenha reconhecido e aprovado a ampliação da lista de doenças. O diagnóstico precoce salva vidas”, afirma Lea Arosa, pediatra do Hospital Casa de Saúde de Guarujá.

Criado pelo pediatra brasileiro Benjamin José Schmidt (1931-2009), na década de 70, o teste do pezinho é um dos mais importantes exames feitos em recém-nascidos. Realizado, normalmente, entre o 2º e 5º dia de vida do bebê, o teste consiste na coleta de algumas gotas de sangue do calcanhar em um papel filtro especial.

O resultado, liberado instantaneamente, é capaz de diagnosticar até 50 doenças genéticas e metabólicas, principalmente, enfermidades como hipotireoidismo congênito (baixa ou nula produção do hormônio da glândula tireóide), fenilcetonúria, anemia falciforme e fibrose cística, doenças capazes de trazer diversas complicações já no primeiro ano de vida do bebê se não tratadas corretamente.

Principais doenças identificadas pelo teste do pezinho

O teste do pezinho é útil para identificar diversas doenças, sendo as principais fenilcetonúria, hipotireoidismo congênito, anemia falciforme, hiperplasia adrenal congênita fibrose cística. A fenilcetonúria é uma alteração genética rara caracterizada pelo acúmulo de fenilalanina no sangue, já que a enzima responsável por degradar a fenilalanina tem a sua função alterada.

Outra doença identificada é o hipotireoidismo congênito, quando a tireoide do bebê não consegue produzir quantidades normais e suficientes de hormônios, interferindo diretamente no desenvolvimento do bebê. Além disso, a anemia falciforme, também verificada no teste, é um problema genético caracterizado pela alteração na morfologia das células vermelhas do sangue, reduzindo o transporte de oxigênio no sangue e metabolismo.

Entre outros, o teste do pezinho aponta ainda para a hiperplasia adrenal congênita, deficiência de certos hormônios e excesso de outros, podendo provocar crescimento excessivo, puberdade precoce e outros problemas físicos. Por fim, a fibrose cística, analisada no exame, é uma doença em que há a produção de uma grande quantidade de muco, comprometendo o sistema respiratório e o pâncreas.

“Como boa parte das doenças diagnosticadas pelo teste do pezinho demandam um complexo processo de tratamento, é fundamental que as pessoas se conscientizem e realizem o exame no bebê. É indescritível o bem-estar e a qualidade de vida que o teste do pezinho pode proporcionar”, conclui a pediatra.

Sobre o Hospital Casa de Saúde Guarujá: Instituição de saúde com foco na excelência do atendimento médico de qualidade, com moderna infraestrutura e tecnologia de ponta. É a primeira opção na região na área de pediatria infantil e oferece um novo conceito de prevenção à saúde dos moradores e turistas do Guarujá e arredores com o objetivo de se tornar referência na prestação de serviços de saúde na Baixada Santista.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE