Saúde

Inverno. Melhor época para tratar varizes

Afetam uma em cada três brasileiros

Publicado em 2018-07-09 15:00:01 Atualizado em 2018-07-09 15:00:01 (300 visualizações)

A queda nas temperaturas e a proximidade do inverno aumentam a procura pelos tratamentos de varizes e vasinhos, problema que atinge uma em cada três pessoas no Brasil. A maioria dos pacientes aproveita o período para fazer o tratamento e chegar no verão já com as pernas totalmente recuperadas.

A médica Elen Martins, cirurgiã vascular e membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular, afirma que o inverno é mesmo o melhor período do ano para tratar das varizes. "A recuperação exige alguns cuidados, como evitar a exposição ao sol e uso de compressão elástica. Com as temperaturas mais amenas, é mais fácil seguir estas recomendações", explica.

O tratamento das varizes e dos vasinhos pode ser cirúrgico ou feito com aplicação de substâncias químicas líquidas ou espumosas e até com uso de laser. Mas o procedimento vai depender de cada caso e do tipo de veia doente. "Só após o diagnóstico é possível determinar qual tratamento mais adequado. É preciso levar em conta o estágio da doença e as condições clínicas do paciente", explica.

As varizes surgem quando as veias das pernas não conseguem retornar o sangue para o coração e se dilatam. Quando pequenas, são chamadas de reticulares e têm baixo risco de complicações. As varizes, porém, podem gerar desconforto, inchaço coceira e formação de coágulos que podem ser desprender e parar no pulmão. Já os vasinhos são dilatações de veias subdérmicas, que não contribuem para a drenagem venosa, mas geram desconforto estético significativo, e quando em grande quantidade, podem gerar dor e desconforto.

A doença varicosa pode ser classificada em dois tipos:  primárias, que aparecem influenciadas pela tendência hereditária; e secundárias, que aparecem com o passar do tempo e exposição a alguns fatores de risco, como obesidade e o número de gestações. E entre estes grupos, a gravidade varia desde um simples desconforto estético até estágios já mais graves que acarretam em compleições como dor, sangramento, vermelhidão, manchas e úlceras", esclarece a médica.

 

TRATAMENTOS

Esclerotepia: aplicação de líquido através de seringa. O líquido queima os vasos, que são absorvidos pelo organismo.

 Esclerotepia: com espuma: uso de duas seringas que, ao bombear o líquido com seringas, é formado uma espuma que queima os vasinhos.

 Crioescleroterapia: destruição dos vasos pela injeção de produtos em baixa temperatura.

 Laser: Os vasinhos são destruídos pelo calor emitido pelo laser.

 ClaCs – técnica que associa o uso da escleroterapia e do laser, com o auxílio de um aparelho resfriador (criolaser) para tratar vasinhos e veias reticulares. O médico usa um aparelho de realidade aumentada para fazer a localização precisa da aplicação. Assim, faz o uso do laser para diminuir o calibre dos vasos e a aplicação do líquido para queimá-los.

  
Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

PUBLICIDADE


Saúde

OMS- brasileiro não se exercita suficientemente


Como cuidar da saúde mental na fase do vestibular?


PUC Campinas abre vagas para residência


SP quer convocar 139 mil contra HPV


Brasileiro fuma 333 cigarros por ano



© 2009-2018. Portal Novo Momento de Notícias. website: pratza