Saúde

Luteína e zeaxantina pode resultar em economia na saúde

Análise de redução de custos avaliou o uso de luteína e zeaxantina associadas à degeneração macular relacionada à idade

Publicado em 2017-11-02 19:00:02 Atualizado em 2017-11-02 19:00:02 (697 visualizações)

Um novo estudo divulgado pela Frost & Sullivan revela que o uso de luteína e zeaxantina por indivíduos com degeneração macular relacionada à idade (DMRI), que ainda não esteja em fase severa, pode reduzir o risco da transição da doença para um estágio mais avançado em 7,0%1. Em 2016, cerca de 17,1 milhões de pessoas na União Europeia (UE) sofreram de DMRI em qualquer um de seus estágios e os números deverão aumentar em mais de 30% até 2040(2,3). É uma doença ocular cada vez mais comum, a causa mais frequente de perda de visão em pessoas acima de 55 anos e já atinge em torno de 25 a 30 milhões de pessoas em todo o mundo. Estima-se que 3 milhões de pessoas no Brasil tenham DMRI, de acordo com a associação Retina Brasil.
Trata-se de uma doença degenerativa dos olhos que causa perda progressiva e irreversível da acuidade visual e visão central, causando um grande impacto na independência de um indivíduo e na sua capacidade de realizar atividades diárias. A luteína e a zeaxantina são micronutrientes que se acumulam de forma seletiva nos olhos, protegendo o órgão e a visão, como descrito em publicações científicas há mais de 20 anos.
Economia nos sistemas de sáude de €4,97bi por ano na UE

Em 2016, 2,5 milhões de pessoas na Europa enfrentaram a degeneração macular em seu estágio mais avançado(3). Mais de 14 milhões de pessoas na Europa sofrem de DMRI precoce e intermediária e correm o risco de a doença avançar para um diagnóstico severo caso não haja tratamento. O novo relatório da Frost & Sullivan revelou que é possível que haja reduções significativas de custos nos serviços de saúde por meio da identificação de populações de alto risco de desenvolvimento de DMRI, recomendando o uso de suplementos alimentares de luteína e zeaxantina. "Estamos impressionados com as potenciais vantagens econômicas apresentadas neste estudo. A análise fornece aos consumidores e a indústria de cuidados de saúde ideias valiosas sobre o uso benéfico da luteína e da zeaxantina para manter a saúde visual e uma boa qualidade de vida", considera Julia Raquet, vice-presidente de Nutrição Humana da BASF na Europa.
Com base em um custo médio anual por caso de DMRI severa/estágio avançado (€ 34,805), a economia total com os serviços de saúde seria de € 6,2 bilhões por ano, assumindo que todos os adultos da UE com mais de 50 anos, com DMRI em estágio inicial, recebesse suplemento de luteína e zeaxantina.
Considerando o custo da luteína e zeaxantina que seria necessário para oferecer os benefícios esperados para toda a população alvo na UE, o benefício líquido total é de 4,97 bilhões de euros por ano. Por cada euro gasto na reversão da transição de DMRI leve para severa, com um regime de suplemento de luteína e zeaxantina, a economia seria de €5,01.
A BASF, um dos líderes de mercado na indústria de nutrição humana, oferece um amplo portfólio de nutrientes essenciais para a prevenção de doenças com a marca Newtrition®, com ingredientes para a indústria como carotenoides, vitaminas e ácidos graxos e omega-3 altamente concentrados. O Xangold® Lutein é um ingrediente da empresa para produtos relacionados a saúde visual como dispersão em pó e óleo, oferecendo aos fabricantes o benefício de formular soluções de consumo de última geração.

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

PUBLICIDADE


Saúde

Dalben cria Comitê de Combate à Dengue


Danos causados pela falta do uso de fio dental


Menos de 2% da população doa sangue


Estresse. Veja os principais sinais


AMB apoia 'moratória' pra cursos de medicina



© 2009-2017. Portal Novo Momento de Notícias. website: pratza