Saúde

Calvície atinge mais de 5 milhões de mulheres

Doença afeta mais de 42 milhões têm 90% de chance de reversão

Publicado em 2017-10-12 11:00:01 Atualizado em 2017-10-12 11:00:01 (102 visualizações)

De acordo com a Sociedade Brasileira do Cabelo, cerca de 20 milhões de mulheres sofrem de queda de cabelo, e mais de 5 milhões de alopecia (calvície aguda). A doença pode ser causada por diversos fatores, como o stress, má alimentação, uso inadequado de produtos capilares e a predisposição genética. Os tratamentos para combater essa doença são vários, porém, em virtude de haver muitos tipos de calvície, o ideal é procurar sempre um especialista para identificar com precisão as causas e indicar o melhor tratamento.

De acordo com o médico, especialista em tricologia, João Gabriel Nunes,  a falta ou excesso de alguns nutrientes atrapalham a saúde do couro cabeludo e interfere no ciclo de vida do cabelo. Além disso, um grande prejudicial é a falta de conhecimento das pessoas ao realizarem os procedimentos capilares estéticos. "Cada vez mais os produtos químicos (alisamentos, progressivas e luzes) são utilizados de maneira inadequada. Muitas vezes os danos são tão graves na fibra capilar que somente após anos de tratamento médico tricológico é que conseguimos reverter. Apenas depois de uma análise detalhada da haste capilar podemos saber se esse cabelo pode ou não receber uma tintura ou fazer um alisamento químico por exemplo" explica o doutor.

Dormir com o cabelo molhado, o uso frequente de boné, e xampu com o ph incompatível com o couro cabeludo do indivíduo, são outros fatores listados pelo profissional que prejudicam a saúde dos fios. Já em relação ao perfil do público que busca o tratamento, a quantidade de homens e mulheres é a mesma. E apesar de ser raro em crianças e adolescentes, a sociedade brasileira de cirurgia de restauração capilar divulgou que  cada vez mais é encontrada em mulheres jovens, pois cerca de 25% das mulheres entre 35 e 40 anos já sofrem com a queda intensa de cabelos. 

Para reverter e estacionar a doença, os profissionais da área buscam inovar com tratamentos clínicos diferenciados, "atualmente temos um arsenal muito grande de terapias para controlar e reverter a calvície na mulher.  Entre os tratamentos mais realizados hoje por minha equipe estão as massagens capilares com substâncias fotoativadas por um equipamento de Laser, a mesoterapia (microinjeções com vitaminas direto na raiz capilar), a Terapia Fotodinâmica, Detox do couro cabeludo, capacetes emissores de laser, pentes de corrente galvânica, além de tratamentos que o paciente deve complementar em casa", complementa o especialista em tricologia.

Sobre Tricologia
Originada na Inglaterra em 1902, a tricologia é o ramo da medicina que estuda os
cabelos, pelos e os problemas relacionados a eles. Visto como uma moldura do
rosto, os cabelos são considerados uma característica marcante do indivíduo e
importantes para autoestima, pois transmitem a imagem desejada à sociedade.
Com o propósito de solucionar problemas capilares, os profissionais da área
buscam inovar com tratamentos clínicos diferenciados e, dependendo do caso,
procedimentos cirúrgicos.

Sobre João Nunes 
João Gabriel Nunes se formou em medicina em 2010. Sua primeira pós-graduação foi em dermatologia pela faculdade de ciências médicas de Minas Gerais, com extensão acadêmica na University of Michigan, nos Estados Unidos. Sua segunda pós-graduação foi em reumatologia pelo instituto de pesquisas e ensino médico de São Paulo, com extensão acadêmica em Harvard Medical School, também nos Estados Unidos. A última pós-graduação do médico foi em Tricologia e Transplante Capilar no Instituto e Hospital da Pele em São Paulo. Além de sua formação, João Gabriel é membro da Academia Europeia de Dermatologia e membro da Sociedade Brasileira do Cabelo.  Recentemente foi convidado a fazer parte da mais respeitada sociedade de cirurgia capilar do mundo, a ISHRS (International Society of Hair Restoration Surgery).
Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

PUBLICIDADE


Saúde

É preciso conversar com o bebê ainda no útero


SB se prepara para enfrentar dengue


Luiz Lauro destina R$ 1 milhão ao Caism


Exame Cremesp este domingo


Outubro Rosa: Garotinha de 6 anos doa cabelo



© 2009-2017. Portal Novo Momento de Notícias. website: pratza