Política Crítica

Justiça mantém validade da CEI da Odebrecht

Publicado em 2018-04-17 06:43:07 Atualizado em 2018-04-17 06:43:07 (159 visualizações)

A Justiça de Sumaré indeferiu a liminar impetrada pela empresa BRK Ambiental que pedia a nulidade dos trabalhos da CEI (Comissão Especial de Inquérito) que apurou a concessão dos serviços de saneamento básico da cidade no início do ano passado. A decisão foi publicada na tarde desta segunda-feira (16) pela juíza da 3ª Vara Cível, Ana Lia Beal.

Diante da repercussão das investigações, a concessionária entrou com pedido de liminar em julho de 2017, solicitando a nulidade dos trabalhos por entender que a Comissão não concedeu acesso aos autos do processo. No entanto, os argumentos foram contestados pela Justiça. "Não há qualquer razão para se anular a referida Comissão Especial de Inquérito, tendo em vista a observância de todas as formalidades necessárias. A irregularidade apontada pela impetrante veio a ser corrigida, com a efetiva entrega das cópias dos documentos da CEI à impetrante", esclareceu Ana Lia.

O vereador Willian Souza (PT), que ocupou a presidência da Comissão entre fevereiro e julho de 2017, acusou a concessionária de litigância de má-fé. "A empresa tentou, de certa forma, enganar a Justiça, com justificativas infundadas, a fim de tumultuar o processo e atrasar a validade de todo trabalho de investigação. Ficou comprovada a licitude e a transparência da Comissão. No próprio despacho, a juíza aponta que a empresa teve acesso ao processo no dia 08 de março, isto é, bem no início da apuração", comentou Willian.

Essa é a segunda derrota judicial da empresa Odebrecht/BRK Ambiental contra a Comissão em pouco mais de um mês. No último dia 07 de março, o TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo) decidiu pela perda de objeto da liminar que suspendeu a leitura do Relatório Final da CEI da Odebrecht, dando validade ao documento conclusivo.

A COMISSÃO- A CEI da Odebrecht denunciou o esquema de corrupção que envolveu a ex-prefeita Cristina Carrara (PSDB) e empresários da empresa Odebrecht Ambiental, que resultou na concessão dos serviços públicos de saneamento básico em Sumaré. O trabalho de investigação durou 130 dias e teve por objetivo apurar inexecução do contrato de concessão, a publicação do Termo de Anuência que autorizou a troca de controle acionário da empresa Odebrecht Ambiental para a Brookfield, além dos imóveis que pertenciam ao antigo DAE (Departamento de Água e Esgotos) que foram objetos da concessão.

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

PUBLICIDADE


Política Crítica

Omar e base desistem de aumento


'Ver.s da Melhor Idade' escolhem mesa diretora


Thiago Martins visita região do Jardim Boer


Kadu convoca deputados pra ajudar Santa Casa


Padre Sérgio quer saber do RH na ala 1 do Hospital



© 2009-2018. Portal Novo Momento de Notícias. website: pratza