Política Crítica

Os 'presidenciáveis' em caso de queda de Temer

Dois juristas, economista e políticos

Publicado em 2017-05-19 15:26:22 Atualizado em 2017-05-20 13:21:45 (972 visualizações)

São seis os nomes mais cotados para assumir a presidência do Brasil caso o presidente Michel Temer (PMDB). O cenário mais provável é que o presidente da Câmara Rodrigo Maia (DEM) assuma a presidência por 90 dias e convoque novas eleições. A 'normalidade' prevê que a eleição seja indireta, com os deputados elegendo o novo presidente. 

Maia foi eleito e reeleito há pouco tempo, e tem chances (ainda que reduzidas) de repetir a articulação que já fez e se tornar o condutor desse ano que falta para as eleições de 2018.

Quem aposta nas eleições diretas, na apatia da direita perplexa com Aécio e Temer, é o ex-presidente Lula (PT) que tem contra si todo o julgamento da sociedade e a coleção de delações da Lava Jato. Lula tem bom índices de intenção de voto, mas uma rejeição que dificilmente vai baixar no processo eleitoral. E ainda existe o risco (médio) de haver o pedido de prisão dele e (alto) de haver a inelegibilidade de sua candidatura.

Outro ex-presidente, Fernando Henrique Cardoso (PSDB) começou como opção de minerva, em uma eleição indireta, do meio político e cai muito bem ao grande empresariado e à grande imprensa. O que pesa contra são a baixa popularidade de FHC e a rejeição ao PSDB, que tende a crescer com os casos Aécio, Serra et alli.

Com FHC em baixa, surgiram dois nomes. O ex-ministro do STF Nelson Jobim, um decano da política e da Justiça, seria o nome mais forte e com poucos problemas para responder. Ele é mais forte que seu concorrente menos conhecido.  

Seu principal concorrente seria o candidato do mercado, Henrique Meirelles, ligado 'até o pescoço' com o grupo JBS (via Banco Original). Como FHC, HM tem a imagem ligada às famigeradas reformas trabalhista e da previdência e enfrentaria enorme resistência das ruas.

O último nome seria o da presidente do STF Carmen Lúcia, que teria maior força conforme vai se degringolando todo o sistema político. Com pouca bagagem política e o preconceito por ser mulher, Carmen seria uma saída com alguém que ainda não tem apoio popular como seus amigos de toga Joaquim Barbosa e Sérgio Moro.
Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

PUBLICIDADE


Política Crítica

Meche questiona atendimento pediátrico nas unidades


Ver. quer saber da empresa contratada para obras da Praia


Testemunhas são ouvidas na CEI da Habitação


Rezende lidera nova oposição a Omar


Temer e PSDB negociam chapa 'pró mercado'



© 2009-2018. Portal Novo Momento de Notícias. website: pratza