Política Crítica

Perugini tem candidatura impugnada pelo TRE

Eleito de Hortolândia não pode assumir o mandato

Publicado em 2016-11-25 09:38:56 Atualizado em 2016-11-25 09:39:19 (1091 visualizações)

O prefeito eleito de Hortolândia, Angelo Perugini (PDT), teve o registro de candidatura cassado pelo TRE-SP (Tribunal Regional Eleitoral) em sessão realizada nesta quarta-feira (23). Por decisão da maioria dos desembargadores, cinco votos a um, Perugini fica impedido de assumir o mandato em 1º de janeiro.

Perugini teve a candidatura impugnada pela coligação "Hortolândia, O Sonho Continua", pelo PRP e pelo Ministério Público Eleitoral, e concorreu às eleições sub judice. A juíza Juliana Ibrahim Guirao Kapor deferiu a candidatura do pedetista em 1ª instância e a decisão foi remetida ao TRE, após recurso das partes.

Em seu voto, o relator L.G. Costa Wagner decidiu pela inelegibilidade de Perugini "notadamente em razão da rejeição das contas de convênio" pelo TCE (Tribunal de Contas do Estado) referente a cinco anos de seu mandato (2007, 2009, 2010, 2011, 2012). Em função da indivisibilidade da chapa, o vice de Perugini, José Nazareno Gomes, também foi impugnado.

A decisão do TRE causa instabilidade política em Hortolândia. Se Perugini não conseguir reverter a decisão no TSE (Tribunal Superior Eleitoral), a cidade pode ter uma nova eleição para prefeito em 2017, já que com a minirreforma eleitoral aprovada no ano passado o segundo colocado no pleito deixa de assumir automaticamente o cargo. Neste cenário, o presidente da Câmara assumiria a prefeitura em um governo transitório.

 

Contas rejeitadas pelo TCE

O deputado estadual Angelo Perugini teve cinco contas julgadas irregulares no período de trânsito em julgado de 02/10/2008 a 12/08/2016 pelo TCE-SP (Tribunal de Contas de São Paulo), quando foi prefeito de Hortolândia. Entre as irregularidades apontadas pelo Tribunal está um convênio firmado pela prefeitura com a Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) no valor de R$ 15 milhões para a gestão do Hospital Municipal Mário Covas, em 2005. Auditoria do TCE apontou que Perugini não apresentou estudos que justificassem a terceirização do serviço, não justificou a escolha do conveniado (a contratação foi feita com dispensa de licitação), além de não elaborar plano de trabalho,.

Além do convênio com a Unicamp, Perugini também tem apontamentos e irregularidades em convênio com a ONG Aliança Revolucionária Jovens em Ação, outro com a Oscip Vitalis Instituto de Apoio a Saúde e Tecnologia (referente a serviços de segurança alimentar dos servidores municipais) e outro firmado com a Organização Cultural e Artística.

 

Caso Sanasa

Além dos convênios irregulares firmados nas duas gestões como prefeito, Perugini figura em 186 processos, que somam R$ 144 milhões em investimentos não justificados ou irregulares. Entre eles, está o caso da empresa O.O. Lima, que originou o Caso Sanasa e que cassou o mandato do então prefeito de Campinas, Hélio de Oliveira Santos, do mesmo partido de Perugini. A empresa é acusada de pagar propinas para vencer licitações públicas. Hortolândia seria uma das cidades em que a quadrilha chefiada por José Carlos Cepera operava.
Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

PUBLICIDADE


Política Crítica

PF aponta que agressor de Bolsonaro agiu sozinho


Bolsonaro. Campinas quer grande ato Ele Não


Adegas vai focar reta final na região


Márcio França lidera 'eleição dos vereadores'


Dr Otto quer recape na Florindo Cibin



© 2009-2018. Portal Novo Momento de Notícias. website: pratza