Geral

O X da questão envolvendo Face e Cambridge

Por Internet Society

Publicado em 2018-04-15 19:00:02 Atualizado em 2018-04-15 19:00:02 (303 visualizações)

Mark Zuckerberg testemunhou ao Congresso dos Estados Unidos acerca da manchete das últimas semanas: a violação de privacidade no Facebook e revelações de que a empresa manipulou de forma errônea os dados de milhões de pessoas. Este acontecimento traz uma questão à tona: em que realmente nos inscrevemos?

Para alguns, o motivo foi a proximidade e o contato com familiares e amigos. Para outros, era uma simples maneira de alcançar novos clientes ou reunir uma comunidade em torno de um projeto social. Sim, muitos presumimos que nossas informações seriam usadas para exibir anúncios relevantes. De fato, parece padrão no mundo conectado de hoje, que mascara a verdadeira imagem.

Entretanto, não detemos total controle das nossas informações online e nem temos a real ideia de como elas são compradas, vendidas ou usadas.

Nas últimas semanas descobrimos – mais uma vez – que as informações sobre nós mesmos, nossos amigos e contatos eram usadas para muito além do que pretendíamos e prevíamos. Nós fomos perfilados, confundidos e politicamente manipulados – em simples alusão, fomos jogados como peões no jogo de xadrez de outra pessoa. O desafio é encontrar alguém que diga: “sim, é para isso que eu estava me inscrevendo, eu sabia e estou totalmente confortável com o cenário desenhado a partir do caso Cambridge Analytica”.

Não importa como ou quando começou a expansão dos dados. A lacuna entre o que esperamos e o que realmente é aplicado é uma violação imperdoável da ética.

Ninguém se inscreveu para ter os dados violados

O sentimento de indignação que invadiu muitos dos usuários diante da violação da confiança por meio da qual o Facebook permitiu que um parceiro de negócios utilizasse os dados pessoais sem consentimento ou permissão explícita, ainda não expirou.

É claro que gostamos de escolher os benefícios do acesso gratuito a plataformas online que nos conectam a amigos e permite conhecer novos; compartilhar nossas histórias, recomendações; encontrar novos e interessantes produtos, serviços e passatempos. Tudo aparentemente sem custo, em troca de apenas algumas informações para nos conceder acesso. Mas nossas escolhas são baseadas em uma imagem parcial e enganosa do que estamos realmente assinando, seguida de uma falsa impressão do risco como resultado. 

Não compartilhamos apenas mensagens pessoais com nossos amigos e contatos próximos. Despejamos nossos dados em um mercado vasto e volátil, em um momento econômico que não podemos controlar e sob a influência política que começamos a observar.

Nenhuma relação há com o entendimento da maioria das pessoas sobre o que é uma plataforma de rede social. Os acordos que pensávamos ter com as aplicações onlines estão, cada vez mais, semelhantes às negociações faustianas.

A partir deste episódio será desencadeado um processo de investigação e resposta por parte dos governos, reguladores e encarregados de salvaguardar os direitos dos cidadãos. No entanto, extenso como é, o Facebook é apenas um elemento do ecossistema online. Há questões mais amplas em jogo e elas precisam de uma ação abrangente de todos nós.

Aqui está o que precisa acontecer. O que você está fazendo agora não é mais o que registramos; é hora de renegociarmos o acordo. Isso é o que esperamos de qualquer pessoa que colete, use ou compartilhe informações sobre nós:

1. Justiça: seja justo conosco. Respeite nossos dados, nossa atenção e nosso “gráfico social”. Em alguns casos, isso pode significar colocar nossos interesses acima dos seus. Busque nosso consentimento de forma honesta. E quando você usar ou compartilhar nossas informações, não exceda o que consentimos.

2. Transparência: seja claro conosco sobre o local onde estamos. Seja franco e honesto sobre seu modelo de negócios, seus parceiros, suas políticas e práticas de privacidade. Abra sua empresa até a auditoria de privacidade e diga-nos o que você está fazendo para alcançar os resultados.

3. Escolha: dê-nos escolhas genuínas, começando com “desativado por padrão”. Vamos optar se acharmos adequado. Vamos sair quando mudarmos de ideia. Respeite nosso direito de parar de usar seus produtos e serviços. Exclua nossos dados quando sairmos – e até antes, se você não precisar mais.

4. Simplicidade: projeta seus serviços para fricção mínima e máxima conveniência; aplique seu esforço de design à privacidade também. Não espere que administremos nossos dados peça por peça, ou mexamos com configurações complexas: vamos expressar nossas preferências e intenções e respeitar nossa escolha.

5. Respeito: mostre seu respeito por nós e nossos interesses, especialmente nossa privacidade e autonomia. Não nos trate como mera matéria-prima ou como produto que você vende para seus clientes.

Chegar neste patamar exige ações de todos nós. É o momento de nos levantarmos e pedirmos um acordo equilibrado para ambas as partes – empresas e usuários. O jogo mudou e precisamos estipular novas regras.

 
Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

PUBLICIDADE


Geral

O programa da Mudança na Europa


PSL lança Bolsonaro e Janaína quer amadurecer


Stalkear: segredo para impressionar na entrevista de emprego


Fies: hoje é o último dia para inscrições


Psol confirma Boulos, que ataca Bolsonaro



© 2009-2018. Portal Novo Momento de Notícias. website: pratza